Páginas

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Coisas pra fazer...

Tarde nublada, porém quente, na casa da sogra. O que fazer?
Assistir O fabuloso destino de Amélie Poulain pela milésima vez, claro!
Mas, convenhamos, no cineminha do sogro fica ainda melhor...



Adoro essa cena, em que ela pensa no amor que poderia ter sido, enquanto faz seu "famoso bolo de ameixas". É pra ver e rever sempre mesmo!

Love is in the air...

Retiro tudo o que eu disse no post anterior... o romantismo não morreu, meu mau humor acabou e o amor continua lindo.
De vez em quando, a correria e a rotina quase engolem a gente. E não dá pra ter aquele amor folhetinesco o tempo todo. Simplesmente impossível dormir de camisola de seda e acordar linda e penteada às 6 da matina.
Mas a vida a dois é tão mais do que isso. E reinventar e redescobrir o amor de todo dia é das melhores tarefas da vida a dois. Como estava escrito num cartão que acompanhava um maço das minhas rosas preferidas, long, long time ago: "we can work it out".
E assim, sigo amando e aprendendo...

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Humpf.

Aniversário de casamento na casa da sogra, com almoço rápido no Mac'Donalds do shopping lotado antes da viagem?
E o romantismo, as rosas vermelhas, champagne, chocolate, presentinhos, pra onde foram? Pro saco (sorry, galera, tô de mau humor e, fala sério, com motivo). E só estou escrevendo isso porque sei que o senhor marido, depois de ter lido as últimas "novidades" do melhor timinho do mundo, vem aqui xeretar.
Mas como sou boazinha, não vou jogar praga no time.
Em tempo, minha sogra é uma fofa, nada contra ela, que não tem culpa da gente ter resolvido se casar na antevéspera de Natal. Humpf!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal!



Enfim, é Natal!
Por aqui, foi uma correria maior ainda do que a de sempre. Todas as doencinhas infantis (e as adultas) resolveram aparecer juntas em novembro e dezembro... a casa mais parecia uma enfermaria. Mas entre cof,cofs, catapora, viroses e bombinhas pra bronquite, sobrevivemos todos!

Eu estava inconformada de mal ter tido tempo de espalhar uns enfeitinhos pela casa. E, em casa com filho pequeno, isso é importante e não dá pra ficar em branco. Então, na semana passada, o Lô vira pra mim e diz, "mamãe, será que Lu não vai mandar daqueles melhores biscoitos do mundo?" e eu, surpresa (pois ele comeu uma única vez os biscoitos da Lu), "você lembra dos biscoitos, filho?!". E ele: "claro, são os melhores do mundo, macios... com um cheiro muito bom..."

E eis que a infalível e querida Lu) mandou os melhores biscoitos do mundo na quinta passada... mas não foi o suficiente, embora o pequeno tenha comido os dele e mais os da família toda. Então, tomei fôlego no domingão e fui pra cozinha! E foi demais!
A família toda participou, e tivemos gingerbread man nada tradicionais... piratas... de camisa social... estrelinhas travestidas de Patrick do Bob Esponja...
Mas o mais legal mesmo foi ver todos juntos na nossa pequena cozinha, brincando com as "tintas" e forminhas.
Finalmente, entramos no clima natalino: família unida, "biscoitando" com amor, e esperando por um Natal de paz, alegria e saúde para todos.
E com cheirinho de especiarias no ar, graças a mais uma queridice dessa amiga amada, que estará sempre presente até nas memórias natalinas da família! Obrigada, Lu!
Feliz Natal a todos!
E que venha um 2009 cheio de criatividade e amor!!!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O que me faz feliz...



O que me faria sair toda serelepe rumo ao centro da cidade numa sexta-feira de tempo instável, sujeito a chuvas e trovoadas, logo cedo?
Se a resposta foi: metros de tecidos lindos+cerca de 3 mil botões+um pijama de flanela estampado com coraçõezinhos+camisola fofa+delícias cheirosas da Lush, então, correto!
Tudo isso veio de uma amiga que conheci primeiro como cliente e com a qual criei um vínculo de confiança e cumplicidade que é algo assim, inusitado.
E o mais legal nisso é que bem poderíamos ter sido amigas de infância, pois a família dela (também de ascendência japonesa) é da mesma cidade do meu pai, onde passei muitas férias de verão; frequentamos, naquela cidade, o mesmo clube e a mais recente das coincidências descobertas é que ela foi aluna de mestrado do meu sogro.
Descobrimos tudo isso em muitas conversas online e trocas de e-mail e, embora ela hoje more muito, mas muito longe mesmo, virou uma amiga de todo dia.

Essa é das coisas mais bacanas de ter uma vida online ativa. De vez em quando, todas as barreiras e distâncias perdem a importância e vc acaba ganhando um amigo (e, em 2008, tive a alegria de conquistar algumas amizades queridas, que ultrapassaram totalmente as barreiras virtuais).

Ainda falando em amigos, reencontrei algumas amigas de ginásio neste ano, via internet, o que deu uma baita alegria. Ver as meninas com quem compartilhei sonhos de adolescente, com quem brinquei e até briguei muitas vezes, agora mulheres cuidando dos filhos (assim como eu!), foi muito, mas muito legal mesmo. E saber que a vida continua, que cada um segue seu rumo, mas a gente sempre pode (e deve) resgatar boas lembranças...

É claro que isso é raro e sempre tem algumas pedras no caminho, já que muita gente acha que pode falar o que e quando quiser, agir de forma rude ou se intrometer na vida alheia, pois a intimidade na internet parece instantânea. Parece, mas não é. E basta um pouco de bom senso pra saber que a coisa não é bem assim e, como em qualquer âmbito das relações humanas, há limites e regras.
Mas as pedras a gente joga pra beira da estrada e continua o caminho, que pode não ser sempre florido mas sempre podemos buscar boas companhias pra compartilhar o trajeto.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

DiY: Enfeite (mais ou menos) natalino

Não sou muito assim, natalina. Aqui em casa fica um clima mais intimista, embora a festa de Natal (sempre comemorada com os parentes do marido) seja aquela apoteose quase carnavalesca, com enfeites em excesso, presentes em excesso, comida em excesso. Enfim, um exagero do qual eu gostaria de escapar, mas não posso.
(aqui, abro um parêntesis: amor, me perdoa. Sei que a minha sinceridade, nesse caso, também vem em excesso. Mas não troco um Natal com você por nada nesse mundo, juro!).
E sempre que o Natal se aproxima, sei lá por quê, o Tom Waits é incorporado à trilha sonora daqui de casa... familinha esquisita...

Enfim, todo esse preâmbulo é pra falar que pretendo escapar de ter que montar uma árvore de Natal esse ano (pelo menos, não uma enorme). Eu acho os enfeites bonitinhos, mas mesmo gostando de tudo colorido, acho que é uma época em que o povo exagera nos dourados e na purpurina.

Então, resolvi fazer uns enfeitinhos simples, que eu possa reaproveitar depois, sem que tenham cara de nenhuma data específica. E foi essa a minha primeira idéia:



Esse mini-cabideiro tem cerca de 30cm e,para fazê-lo, usei ripas dessa janela de demolição, que achei na caçamba de uma obra. O legal é que já utilizei parte dessa janela para fazer uma prateleira do ateliê e agora achei uso pra essa parte, que está desmontando.



E usei os seguintes materiais:







Lixei a ripinha, pois tinha certeza de que iria achar branco embaixo de toda aquele esmalte cinza feioso, o que daria um efeito de patina bonitinho; dito e feito, uma lixadas depois, lá estava ele.
Então, escolhi um carimbo e apliquei com tinta acrílica vermelha. Aqui, é possível usar qualquer outra técnica e acho que uma pintura à mão livre também cairia bem.
Aí veio a parte nada ecologicamente correta, mas necessária: passei uma demão de verniz spray, pra dar acabamento.

Usei essas pecinhas para pendurar e ganchinhos comuns, desses fáceis de achar. Na verdade, a idéia era usar o ganchinho mais bonito da foto, mas como a ripa era fininha, não ficou legal:



Pregue primeiro os triângulos atrás da ripa, marcando antes com régua e lápis. Para os ganchos, marque também, mas bata um preguinho em cada marcação, pra facilitar na hora de rosquear os ganchos.






E pronto! Está feito um simplérrimo enfeite mais ou menos natalino, pra ser usado o ano todo, variando os penduricalhos!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Chapeuzinho vermelho



Ontem foi um dia bem gostoso. Recebemos, aqui em casa, a visita de Chapeuzinho Vermelho e sua família, que me trouxe de presente a cestinha de piquenique da foto, recheada de gostosuras e carinho.
É tão bom quando a amizade que sentimos por alguém se estende entre as respectivas famílias... faz um bem daqueles... uma delícia ver os maridos conversando e rindo (e até vendo o jogo do SP!)... as crianças brincando à vontade... isso tudo me faz feliz de verdade!
O melhor é que nessa historinha não tem caçador nem lobo mau. Só o tempo que é sorrateiro e faz o domingo acabar num minuto.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Carteiras



Carteiras bem coloridas, pra alegrar o final de semana de moçoilas de muito bom gosto!














quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Bandeirolas do Divino



A Bandeira do Divino

Os devotos do Divino
vão abrir sua morada
pra bandeira do Menino
ser bem-vinda, ser louvada.

Deus nos salve esse devoto
pela esmola em Vosso nome
dando água a quem tem sede
dando pão a quem tem fome.

A bandeira acredita
que a semente seja tanta
que esta mesa seja farta
que esta casa seja santa.

Que o perdão seja sagrado
que a fé seja infinita
que o homem seja livre
que a justiça sobreviva.

Assim como os três reis magos
que seguiram a estrela guia
a bandeira segue em frente
atrás de melhores dias.

No estandarte vai escrito
que Ele voltará de novo
e o Rei será bendito
Ele nascerá do povo.


A Festa do Divino é uma antiga forma de se celebrar a Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo. Sua origem remonta às celebrações religiosas realizadas em Portugal a partir do século XIV, nas quais a terceira pessoa da Santíssima Trindade era festejada com banquetes coletivos designados de Bodo aos Pobres com distribuição de comida e esmolas.

Desde seus primórdios, os festejos do Divino, realizados na época das primeiras colheitas no calendário agrícola do hemisfério norte, são marcados pela esperança na chegada de uma nova era para o mundo dos homens, com igualdade, prosperidade e abundância para todos.

A devoção ao Divino encontrou um solo fértil para florescer nas colônias portuguesas, especialmente no arquipélago dos Açores. De lá, espalhou-se para outras áreas colonizadas por açorianos, como a Nova Inglaterra, nos Estados Unidos da América, e diversas partes do Brasil.

É provável que o costume de festejar o Espírito Santo tenha chegado ao Brasil já nas primeiras décadas de colonização. Hoje, a festa do Divino pode ser encontrada em praticamente todas as regiões do país, do Rio Grande do Sul ao Amapá, apresentando características distintas em cada local, mas mantendo em comum elementos como a pomba branca e a santa coroa, a coroação de imperadores e a distribuição de esmolas.

E essas bandeirolas da foto foram pedido de uma amiga querida que, como eu, quer um Natal bem colorido!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Kokeshi rosa



Yoko, doll fofa by madame trapo, posa do ladinho da totebag Kokeshi rosa!

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Canja e cautela!



Canja e cautela não fazem mal a ninguém, diz o dito popular.
Não sei se sou exatamente cautelosa, talvez desconfiada seja uma palavra melhor. Depois de alguns tombos, acho que fiquei meio assim, desconfiada.

Mas os tombos da vida são inevitáveis e, no fim das contas, ser cauteloso (ou desconfiado) demais só nos faz perder oportunidades. Como disse ontem uma amigona querida com quem dei muita risada ao telefone, de um dia pro outro tudo muda, tudo se conserta e se ajeita, então por quê desistir antes de tentar?

Nos últimos dias, dediquei tempo e esforço a um projeto que foi, digamos, uma total decepção. Ou seja, valeu como um tombaço. E eu poderia ter evitado. Sim, poderia, mas não dava pra saber de antemão... nunca dá!

O que vale mesmo é que, logo depois do tombo, aparecem mãos amorosas que te ajudam a levantar e seguir. Ter a mão-irmã, a mão-amiga, a mão-mãe, a mão-amor é o melhor pedaço do tombo.
Então, deixemos o excesso de cautela de lado, porque é impossível não escorregar nunca. E levantar de novo e continuar é preciso.

E a canja? Detesto. Odeio aqueles fios de frango boiando num caldo esbranquiçado. Coisa de doente. Prefiro essa outra versão, deliciosa, que provei num dos casamentos mais lindos pro qual tive a alegria de ser convidada.
Não sei a receita correta, porque "aprendi" na tentativa e erro. Também não sei o nome da sopa, mas lá vai a receita:

1 xícara de grãos de cevadinha;
1 pacote de shiitake fresco;
shoyu;
azeite;
cebolinha ou nirá (o nirá é a "cebolinha" do alho, muito gostoso, mas bem forte, então é bom ter CAUTELA... hehehehehehehehehe).

Cozinhe a cevadinha em bastante água e escorra. Refogue o shiitake no azeite e tempere com shoyu à gosto. Eu acrescento um tiquinho de açúcar e saquê, mas é opcional. Cozinhe rapidamente e junte um litro (ou um pouco mais) de água fervente. Junte a cevadinha pré-cozida e deixe no fogo para pegar sabor. Prove e, se for necessário, salgue com mais shoyu. Tempere com a cebolinha sem voltar ao fogo e sirva.
Essa é daquelas sopinhas reconfortantes, que esquentam e ajudam a levantar de qualquer tombo. Tomei um pratão ontem à noite...
Bom final de semana!!!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Kit Mini Chef



Sei,sei,sei... sumi do mapa... andei ocupada com o trabalho, sem tempo pra postar aqui e nem pra passear pelos blogs amigos...
Final de ano, pra quem trabalha como eu, é uma tremenda correria.
Hoje estou aqui especialmente porque tomei um puxão de orelha de uma amiga querida, que eu chamei de chata (sorry Lu!), mas que tem toda razão, porque sumir assim não é legal. Ainda bem que, apesar do meu azedume (quando fico muito concentrada assim sei que me torno uma ogra!), tem gente que sente a minha falta. Tão bom ter amigos queridos...
Então, dona Lu, taí uma novidade Ana Sinhana, pra gente que ama brincar de boneca e ama ver os filhos brincando de gente grande: o kit mini chef, com avental, touca, receitinha e forminha.
Logo mais lá na loja!!!

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Lanternas



Bolsa de mão Lanternas.
Essa é peça única e foi uma encomenda feita por uma nova cliente muito doce, que anda às voltas com os preparativos de uma festa muito especial!
Espero que vc goste, Carolina!
www.carolinaemauriliodaniel.blogspot.com

sábado, 8 de novembro de 2008

Logo, loguinho...

...mais novidades de vestir!




Camiseta em malha verde, com manga de babadinho em algodão estampado e detalhes de estampa de sakura, também em algodão.



Em breve, disponível lá na loja.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Na medida!



Festa de criança tem alguns itens básicos: balão colorido, bolo (de chocolate, claro!), brigadeiro e... muitos descartáveis!
Demais, pro meu gosto.
Já em festa de marmanjo com poucas e comportadas crianças, acho que os descartáveis são item dispensável. É hora de usar a louça da casa mesmo.
Mas os brigadeiros continuam muito benvindos. Preferência nacional, o docinho faz sucesso em qualquer festa. E nunca vi ninguém dizer que odeia, não gosta, detesta ou nem liga!
Há uns dias, no aniversário do marido, fiz brigadeiro de colher, que acho que é a melhor sacada pras apressadinhas como eu. Coloquei o quitute nas mini-xícaras de café daqui de casa (que têm mais ou menos uns dois terços do tamanho da xícara de café normal e são ótimas pra quem não gosta de tomar muito café à noite, por exemplo, mas não resiste ao cheirinho bom), enfeitei com confeito colorido, só pra dar um charminho a mais (detesto granulado!) e coloquei colherinhas coloridas.
Foi sucesso total, além de ter sido a medida certa: nem muito pouco, nem um exagero!

Japonices!


Kokeshis em rosa


Manekineko em vermelho


Lanternas em azul

Conjunto de camisetas com estampas japonesas, pra uma cliente que ama tudo o que é japa!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Divino Amor!

Novidade de vestir: camiseta Divino Amor!
Lá na loja!







segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Flower power!




Bolsa em algodão marrom estampado com flores coloridas. Detalhe de estampa de flores em seda, bordadas com botões coloridos. Lá na loja!

Pra começar!



Bom-dia, boa semana!

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Maçãs verdes



Maçãs verdinhas, suculentas e azedinhas, daquelas que fazem doer o maxilar!
Já estão lá na quitanda, digo, lá na
loja !!!





terça-feira, 28 de outubro de 2008

Totebag Kokeshi



Ganhei o colar fofo de kokeshi e mais um monte de coisinhas lindas da Gi Sayuri, a idealizadora do cuteclub.
E criei essa totebag em jeans e algodão para retribuir o carinho!
Espero que você goste, Gi!
(para as outras moçoilas, logo colocarei mais dessa e de outros modelos de tote lá na loja!)

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Doçura em rosa!



Carteiras com cupcakes cor-de-rosa.
Pra começar uma semana das bruxas bem doce!