Páginas

domingo, 31 de agosto de 2008

Tesoura ou tesouro?!



Fiz a conta hoje e me espantei: tenho 21 delas pela casa afora, embora grande parte fique mesmo no ateliê.
Mas a minha vedete da vez é essa de titânio do quadro, meio carinha, porém muito boa!
Tento conservá-la ao máximo, uso só pra tecidos fininhos para os quais ela é excelente, pois tem corte super preciso.
Além disso, achei tão bonitinha... ainda mais assim, pendurada no meio das minhas queridices!

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Meus heróis (não) morreram de overdose...

Anteontem, numa dessas zapeadas na TV, vi um programa com um ídolo de infância/adolescência. Fiquei assustada: o "moço" tá tão envelhecido, barrigudo e careca, mas não de um jeito senhor-charmoso-que-chegou-nos cinquenta, tá assim, bem desleixado.
Pôxa, pensar que um dia o segui pelas ruas de Pinheiros...

Outro caso "chocante" de reencontro de heróis foi o do Lula (lembram da série Armação Ilimitada?), que não é careca. Sim, porque fez implante... isso sem falar no Juba, que desceu a mão na ex-mulher (sorte que a Zelda caiu fora dessa...). Feio, muito feio.
Definitivamente, meus heróis não morreram de overdose. Só exageraram no panetone e perderam cabelo...

Hoje é um daqueles dias em que gostaria de ter crescido nos anos sessenta...

Maratona


Há uns dias, me sinto começando a me preparar pra uma maratona... fim de ano, bazares.. e aí vem a culpa: "por que não trabalhei em julho?", "porque não fiz estoque de peças?"...
Mas confesso que até gosto de trabalhar num ritmo mais acelerado, de vez em quando...

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Mais uma...


Bolsa Sakura em tons de laranja e terra, disponível na loja.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Singing Mallu!



Hoje de manhã, uma pessoa querida me disse que eu estava linda, radiante... detalhe1: não nos vimos, só nos encontramos pelo msn; detalhe 2: ela é uma amigona; detalhe3: ela usa óculos de lente rosa...
Mas o fato é que sempre acordo de mau humor, invariavelmente. E como a rotina de mãe não espera, toco a fazer as coisas andarem... já no carro, levando as crianças pra escola o menino da gaita pergunta: "Posso, mãe?" E eu respondo um sim meio grunhido.
E ele liga o radinho nas músicas de ir pra escola (quase sempre as da menina da foto).
E quando dou por mim, já estou cantando, as crianças estão na aula e o sol vai alto...
Pra quem ainda não conhece a menina de voz doce, que canta e compõe folk, digo que não há como não gostar. Ela tem só quinze anos e aquele ar ingênuo, de descoberta e deslumbramento.

So, if you're felling blue:
TCHUBARUBA!
If you're felling down, sing:
PAPAPAPAPÁÁÁÁÁ!
And have a nice sunny day!

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Mais Sakura, mais flores!



Mais uma bolsa Sakura!
Bem florida e, dessa vez, em tamanho maior!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Sakura!

Daqui a pouquinho chega a primavera, depois de um inverno esquisito, quente e seco.
Pra esperá-la, vam'bora florir a semana!!!





Bolsa em algodão importado, estampa de flores de cerejeira aplicadas na seda, detalhes de veludo.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Om mani padme hum



Om mani padme hum
Om mani padme hum
Om mani padme hum

Há tempos eu não fazia dessas flâmulas, com o mantra e a flor de lótus, ou o Ganesha, que têm significados tão auspiciosos e belos.
Recebi um Ganesha, há muito tempo atrás, de uma pessoa querida que me trouxe da India, junto com uma foto de uma flor de lótus e o mantra. Veio num momento especial, em que a renovação era necessária e eu me achava fraca e triste.
O tempo passa, a gente se fortalece e abandona o que não vale mais, se renova e supera, assim como a flor.
Porém, ainda não aprendi a deixar pra lá certas perdas e abandonos. Pode ser um erro enorme de julgamento meu e, em geral, sei que sou inflexível, mas me entrego às amizades com todo o coração.
Ainda bem que os amigos que ficam são verdadeiros e queridos e estar entre eles é renovar, diariamente, bons e belos sentimentos.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Outro canto novo!



Outro cantinho novo aqui em casa.
Esse espelho era parte de uma escrivaninha, que eu usava meio como um aparador e acabou indo cumprir sua função no quarto da Bia. Então, aproveitei o espelho, juntando com uma prateleira de ganchos. Como a madeira é escura, recortei uns adesivos (esse daí é idéia da Marie-Claire Idées n.68, de março).
Enfim, móveis velhos que foram renovados e ganharam outra cara.
O melhor de tudo é que o jardim anda generoso, nos dando flores lindas...

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Mudar é bom? é sim!



Ainda agorinha contava pra uma amiga por e-mail que começou minha fase de mudanças pré-aniversário.
Essa semana me baixou o bicho-carpinteiro, como diria minha avó amada, e saí mudando tudo de lugar, arrancando pedaços de móveis, transformando, criando. Há tempos não fazia isso. E não me questionava sobre papeís, livros e coisas fora de lugar se acumulando, desde da sala até os banheiros.

Essa minha mania de mudar as coisas de lugar e reformar o que temos é antiga e deixa o marido enlouquecido. Acho que começou logo depois que terminei o mestrado. Quem já passou por isso sabe o quão difícil a experiência de escrever uma dissertação pode ser (ainda mais quando vc é uma jovem recém mãe de primeira viagem de gêmeos...).

Logo que entreguei a tese, senti um vazio imenso, embora estivesse a felicidade de ter terminado fosse igualmente imensa, assim como o alívio. Mas eu chorava, sem nem saber por que.

Então, olhei pra nossa cristaleira antiguinha, que compramos usada e coberta com aquele verniz mais brilhante e medonho possível... me armei com trapos, removedor de tinta (super fedido, tóxico daqueles que não pode deixar pingar na pele, porque queima!), lixas, luvas, jornal pelo chão e mandei bala!
Entre tirar o verniz, lixar, encerar e trocar espelho, demorei uma semana (pois só dava pra mexer nela com os babies dormindo).
E valeu a pena (qualquer dia, mostro aqui).

Foi assim, cuidando das coisas ao meu redor, que aos poucos criei um lugar pra chamar de nosso (e que pretendo continuar reinventando).

Um, dois, feijão com arroz!



Como todo brasileiro de classe média, cresci sendo alimentada assim: arroz, feijão, verdurinha e carne. Claro que hoje em dia a alimentação, especialmente dos mais jovens, mudou muito (e nem se pode dizer que pra melhor), mas o feijão ainda é sabor presente e marcante.

Conversávamos sobre isso no almoço de sábado na casa da minha irmã (sem feijão na mesa, mas com uma comidinha deliciosa!). Nove entre dez brasileiros que viveram a experiência de morar fora sentem falta desse gostinho. Eu mesma, que não como feijão todo dia, fico com vontade quando estamos longe de casa.
Um singelo, porém honesto, feijãozinho com arroz feito em casa... tem coisa mais reconfortante?

Pensando no feijão de cada dia, lembrei de um episódio daqueles bem long, long time ago...

Desde que começamos a namorar, eu e o marido sempre curtimos comprar coisas de casa, sempre pensando que um dia teríamos a nossa casinha. E o marido, quando comprava algo novo dizia: "agora a gente já pode casar!" e a chata aqui respondia: "que mané casar que nada. A gente nem tem panela de pressão..."
Até que um dia, ele chegou em casa com uma panela de pressão, comprada numa oferta das Lojas Americanas, e disse: "e agora, vamos casar?!"

Em tempo: a panela tá velhinha, teve a válvula e a borracha trocadas dezenas de vezes, mas ainda funciona. E o feijão com ingrediente secreto do marido continua sendo o melhor do mundo...

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Espelho, espelho meu!



De Narciso à Alice (aquela que passou através do espelho!), o fascínio por nosso próprio reflexo está em livros, filmes, músicas, tratados filosóficos... ou seja, tudo o que reflete (sem intenção de trocadilho) o que sentimos, desejamos ou tememos.
Espelhos são honestos e olhando de frente e de perto, não há o que esconder deles: se vc perguntar honestamente, a resposta virá cristalizada em imagem. E, embora nem sempre se goste do que se vê, não há como negar a verdade refletida!

Olhar, investigar, aprofundar...

Talvez seja uma tentativa de descoberta de algo mais profundo, que só a nossa auto-imagem não revele.
Ou talvez seja apenas e tão somente vaidade...

O espelho da foto, minha mais recente aquisição craft, é criação de uma amiga querida e talentosa, a Rosângela Vargas.

Chocolate rosa!



Uma vez ouvi um comentário jocoso que dizia que a Ana Sinhana só sabe costurar tecido cor-de-rosa. Não é verdade. Mesmo porque rosa combina com tudo!!!

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Tecido mais que lindo!



No flickr, tenho um grupo de amigas que se reuniu pelo gosto em comum, no caso, a costura. De vez em quando nos encontramos, mesmo sendo cada uma de um canto do Brasil (aliás, do mundo),costuramos, papeamos e, sobretudo, rimos e nos divertimos muito.

De vez em quando, acontecem também trocas. Essa aí da foto é desse grupo.
Eu cismei em usar esse tecidinho estampado (que acho muito lindo) nas caixinhas de madeira e nas de metal, mas o resultado não saiu como eu esperava. Então, scanneei o tecido, imprimi em papel adesivo e voilá: caixinhas fofas decoradas com a mesma estampa do porta-trecos de tecido!

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Trabalhando!



Os últimos dias têm sido intensos, o que é ótimo. E em alguns dias da semana conto com a ajuda preciosa da minha mãe, aí na foto junto comigo.

Apesar do cansaço, fico super feliz quando vejo a pilha de retalhos pra estampar, os tecidos novos chegando, as costuras ficando prontas ali no canto da mesa, depois no pacote...

Quando recebo e-mails de agradecimento e elogio, então... fico toda prosa!

Trabalhar assim, fazendo o que a gente gosta, é bom demais.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Ler, ouvir, sentir!



O CD e o livro da Fernanda Takai chegaram aqui em casa quase juntos. Quero dizer, primeiro veio o CD, pro qual eu olhei um pouco torto porque apesar da simpatia pelo Pato Fu, nunca fui muito de bossa nova e se trata de músicas da Nara Leão.
Na verdade, meu contato mais "íntimo" com a bossa nova foi na adolescência: passei um dia inteiro ouvindo um LP (sim, uma bolacha!) da NL, que encalhava na penúltima música. Confesso que no fim do dia só me vinham à cabeça imagens de violões despeçados e banquinhos partidos com machadinha... enfim, tenho essa lacuna cultural: não gosto muito do estilo barquinho e violão à beira-mar.

Mas, logo na primeira música, o CD da FT me pegou de jeito: aquela voz doce, os arranjos bacanas, as letras velhas conhecidas. Gostei da bossa nova revisitada de Fernanda Takai e tenho ouvido muito o CD enquanto costuro.

Já o livro, comprei num dia em que fiquei à espera do marido (que resolvia alguma chatice relacionada a celular)na Livraria Cultura. Depois de olhar as estantes de crafts, design, revistas, fui para os CDs e dei de cara com a FT. Na hora, pensei no livro (que já tinha ouvido algum amigo falar) e lá fui pra estante de literatura brasileira.

Sentada num daqueles sofazinhos, abri numa das crônicas... terminei uma, dei um meiocsorriso solitário, acompanhado de um pensamento instantâneo: "putz, parece coisa da minha vida, do meu dia-a-dia, da minha família!"
A crônica "meus avós japoneses" tem mesmo gosto de infância da gente, mas com um jeito melancólico de lembrar de coisas de criança já com o olhar de adulto, entendendo e se perguntando sobre as dores da vida.

Já "as misteriosas palavras no papel higiênico" é bem o tipo de coisa que eu faria! Catar um metrinho de papel higiênico num banheiro japonês, porque é desenhadinho e tem historinha.

Claro que comprei o livro e tenho lido em doses pequenas, como se fosse licor de jabuticaba, pra saborear mesmo. Porque é uma delícia. Prosaico como licor de fruta depois do almoço de sábado, mas nada simplório. Afinal, as pequenas coisas da vida podem (e merecem) ter sabor.

Graças à Fernanda, agora gosto de bossa nova (e até pretendo me arriscar de novo em ouvir a NL), e descobri nas crônicas como é bom guardar pequenos e singelos momentos da vida da gente.
E ainda continuo amando licor de jabuticaba!

Onde brilhem os olhos teus
Nunca subestime uma mulherzinha

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Delicadinha e rosa!

Essa macaquinha fofa e rosa foi outra das boas surpresas que julho me trouxe. Na verdade, surpresa maior foi quem a trouxe: a Dani, de lá do sul e do banana craft.
Essa gaúcha talentosa passou uns dias por São Paulo e eu e outras tantas sortudas pudemos conhecê-la ao vivo e em cores. E o que dizer dela? Que tem um jeito tranquilo, fala suave e meiga, mãos e gestos delicados... mas os olhos cheios de vivacidade deixam claro: ela é novidadeira e craftaholic e está sempre de olho no que pode vir a ser um post bacana pro site ou um próximo projeto pra nos deixar com água!
Adorei conhecê-la Dani!
E a Candy manda beijinhos pra vc e pro George!

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Delicadezas

Como já disse antes, meu mês de julho foi tão cheio de queridices, encontros e carinhos, que a lista de agradecimentos é imensa... vou começar por uma querida, amiga, linda, loira e alta que é tão presente na minha vida apesar de morar longe.
É, sobretudo porque se faz presente. É aquela pessoa que faz questão de um telefone rápido, pra agradecer, de mandar uma lembrança (mesmo que envolva alugar um pobre marido viajando à trabalho...).
E por ser assim, tão presente e tão linda, virou amiga e confidente.
Obrigada, Lu!

A outras queridas são a Cecília e a Marília, que só poderiam mesmo ser mãe e filha. São daquelas pessoas capazes de pequenos grandes gestos, que fazem a vida mais gostosa e feliz. É uma imensa alegria poder, de vez em quando, encontrar o olhar hospitaleiro e amigo das duas!
Obrigada Marí, obrigada Cecília!
E assim começa agosto...

sábado, 2 de agosto de 2008

Na cozinha!

Último final de semana de férias e o Lô, chateado por não ter feito algumas coisas da sua interminável lista: andar à cavalo, pescar, empinar pipa e... fazer biscoitos! Bom, sou péssima pescadora (impaciente demais) e, cavaleira, pior ainda! Então, me restou atender ao pedido culinário! Taí o resultado e a receita:

Biscoitinhos amanteigados do Lô:
1 xícara de manteiga
1/2 xícara de açúcar
1 3/4 xícara de farinha de trigo branca
2 colheres (sopa) de amido de milho
1 pitada de sal
raspas de limão
3 colheres de leite
(fizemos duas receitas; em uma delas, acrescentamos duas colheres de chocolate em pó e um pouco mais de leite)


Raspe o limão:

Peneire os ingredientes secos, depois junte a manteiga, o leite e a pitada de sal:

Amasse e abra a massa com rolo. Ela não deve ficar muito fina:

Depois, corte os biscoitos com forminhas fofas (o homenzinho amoroso foi invenção do Lô!):

Leve ao forno e fique de olho! Cada fornada leva, no máximo, uns 5 minutinhos pra assar.
Enquanto assa, faça um chazinho (o nosso era de hortelã com mel), arrume a mesa e chame sua família:
E está servido o biscoitinho de fim de férias!!!
Em tempo, ficou acertado que as pipas e o passeio à cavalo vão rolar amanhã (a pescaria ficou pra depois...).
Boa volta às aulas!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Lovely bag!


Bolsa de mão em patchwork de algodão e sarja, estampa bem delicada de corações!
Na loja.