Páginas

segunda-feira, 2 de março de 2009

A paciência é amarela

Comecei a ter gosto pela cozinha cedo. Lá pelos 12, tive minha primeira memorável experiência: um pudim de leite condensado, meio torto e despedaçado, mas que me deixou cheia de orgulho e vontade de aprender mais. E passei a mandar cartas pedindo livrinhos de receita pra tudo que era marca (Nestlé, Royal, etc). Engraçado pensar nisso agora e ver que a minha filha segue pelo mesmo caminho, mas com a grande diferença da facilidade de obter receitas, com duas ou três clicadas.

O fato é que nunca fui uma pessoa paciente embora, num primeiro momento, as pessoas me achem a criatura mais zen do universo. Ledo engano, por trás da calma aparente, alimento uma gastrite eterna.
Então, não sou dada a receitas demoradas, com muitas etapas nem nada disso. O meu primeiro grande drama na cozinha foi um embate com uma caixinha amarela, velha conhecida de todos, a MAIZENA. Lá pelos 18, na república em que morávamos, resolvi fazer manjar de côco e ameixa (sei lá porque cargas d'água, porque acho um doce insosso, que beira a mediocridade). E, apesar da pouca experiência na cozinha, meu feeling culinário me dizia pra não exagerar no amido de milho. Mas a gororoba não engrossava. E, num momento de fúria, entornei a panela na pia, praguejei contra o mundo inteiro e falei pro marido (que, na época era meu namorado e bem podia ter pulado fora dessa, coitado), que era culpa daquela B@#$&*A de cidade, que eu odiava o curso de economia (essa parte era uma meia verdade) e que eu ia embora.
Anos mais tarde, meu padrinho-professor-grande amigo o João, que é um baita cozinheiro, me ensinou que usar os amidos requer paciência e braços fortes. Ou seja, minha intuição estava certa, só me faltou aquilo que nunca tive.

O mesmo aconteceu muitas vezes com outro doce que amo, o QUINDIM. Aprendi a receita com a minha madrinha-amiga-comadre Silmara. O dela sempre foi o mais perfeito e delicioso dos quindins e a invejosa aqui, secretamente desejava repetir a façanha. Já estávamos em Campinas, no mestrado e morávamos, eu e marido, num micro apartamento de onde se ouvia berros noturnos, primeiro de uma boate de travesti, depois de uma dessas igrejas que tira capeta 24h por dia (a boate era bem mais divertida).
E lá fui eu com duas caixas de ovos, toda cheia de mim, pra mais um teste de paciência amarela. Receita longa. Quando fui desenformar o bicho amarelo, a meleca escorreu pelo prato e sujou meia cozinha. Engolindo a raiva, joguei no lixo, comprei mais duas dúzias de ovos e recomecei.
Como já disse, receita loooonga e, já de noite, novo momento de desenformar e eis que a meleca se repete.
Não tive dúvidas: já ia arremessar o amarelão pela janela, direto no estacionamento da igreja-sai-capeta, quando fui impedida pela mão do meu consternado marido. De novo, culpei a B#$@$A de mestrado, a ME%¨¨¨$A de cidade, etc.
De novo, faltou paciência.

E, apesar de amar quindim, deixei essas tentativas de lado.
Até que a NANA, lá no PRENDADAS, me aparece com uma receita perfeita de quindim de damasco do CHOCOLATRIA. Meu olhou ficou marejado. Secretamente, comprei um pacote de damasco, outro de flocos de côco e esperei até ter coragem.
E foi ontem. Quando marido entrou na cozinha e me perguntou o que eu ia fazer, senti que ela estremeceu de leve à resposta: "quindim". Ficou em silêncio, naquele jeito falsamente tranquilo de quem espera resignadamente pela tempestade.
Levou grande parte da tarde e quase a noite toda. Lá pelas 23h, morrendo de sono, tirei o dito cujo do forno, enchi uma travessa de gelo para esfriar mais rápido e desenformeu o bicho. Já no PLOFT, senti a glória: perfeito!
Deixei o prato na geladeira, cansada e sem vontade nenhuma de cortá-lo, de tão lindo!
Fotografei hoje de manhã, ainda intacto:

Não segui a receita do chocolatria por uma questão de honra. Precisava tentar o da madrinha uma vez mais. A receita:

Quindim da Silmara:
24 gemas peneiradas
500 grs. de açúcar refinado
100 grs. de côco ralado
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (café) de baunilha
Misture tudo e deixe descansar por 2h, mexendo de vez em quando. Unte generosamente uma fôrma (ou várias forminhas) com manteiga e açúcar polvilhado. Leve ao forno a perder de vista em banho-maria. Desenforme frio.

Enfim, continuo impaciente como sempre, irritadinha e histérica. Mas finalmente aprendi que pra certas situações amarelas da vida o melhor é respirar fundo e esperar mais um pouco.

15 comentários:

HAZEL disse...

ahahahahahhah

Adorei esta crónica!!
E parabéns pela persistência e pelo quindim, que ficou lindo!

harumi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
harumi disse...

nunca poderia imaginar que este seu sorriso lindinho esconde uma 'irritadinha e histérica', como vc diz.....
amei a historinha, apesar da sua falta e da sobra de paciência do marido! como sempre, o que é preciso nesta vida é a parceria incondicional e a persistência, né? viu, valeu a pena, saiu um quindim lindo e delicioso!!!!
beijocas.
boa semana!!!
da harumi

ana sinhana disse...

Harumi, lindo sim. Delicioso, não sei. Por agora estou saciada apenas em olhar pra ele...
Hazel, obrigada!
Adoro o crónica com acento agudo de vcs portugueses (o nosso é crônica!).
Bjs

Eva disse...

Simplesmente amei seu jeito de narrar este episódio!

E que venham mais quindins!

Dri disse...

Oi, Ana! Engraçada a história! =)..me diverti lendo..hehehe!!

Uma coisa q me deixa muito nervosa na cozinha: ponto de caramelo!! Aargh!..Sempre passa e fica aquele cheiro horrível de açúcar queimado e aquela panela toda grudada!!

Além de dar errado tem q deixar toda a sujeira de molho em água quente para poder limpar! =p..Mas o negócio é não desistir mesmo...limpar e começar de novo com atenção redobrada!!
Bjs!

Karine disse...

Adorei a crônica também.
Sobre a paciência . . . precisamos exercitar para tê-la :-D eu tb preciso KKKK
Lindo quindim, parabéns pela vitória.

Rô disse...

Oi amiga...que delicia ler isso, mas eu realmente não me atrevo, pois tmb acho que me falta paciênciae talento, e vou correndo até a doceria mais próxima...rs

O bolo que fiz outro dia com a Tassy deu tão errado que uma das formas (pq foram várias em uso...aff), foi pro lixo depois de 2 dias de molho..urgh

Parabéns...ficou lindo !!!

Nana disse...

Ana que linda!!!
Essa receita precisa ir lá para o Prendadas, não acha?
Mil beijos

ana sinhana disse...

Nana, será uma honra ter a receita da Sil lá no Prendadas!!!

Rô, num creio que vc jogou a forminha fofa no lixo, sua doida!!!

Oi Karine, obrigada!

Dri, caramelo é de dar nos nervos... hehehehehehe.

Eva! Que bacana, ainda mais vindo de vc que escreve super bem! Obrigada!

fátima disse...

ana, comigo aconteceu exatamente a mesma coisa, logo que me casei: fiz um quindão e ao desformar, esparramou aquela meleca toda; depois ficou duro como uma pedra.irritada, repeti a receita e foi a mesma merd#. prá piorar, resolvi aproveitar aquele monte de claras e fazer suspiros. óbvio que não viraram nada, e joguei tudo no lixo. gastei toneladas de açúcar naquele dia...rsrsrs
só que, ao contrário de vc., nunca mais tentei fazer de novo :(

bj

ana sinhana disse...

Fátima! Vai lá e tenta de novo que um dia há de dar certo! Essas receitas de quindim são encardidas mesmo!
bj

Simone Izumi disse...

ahhahahah....absolutamente PERFEITO!!!!
Parabéns pela vitória na saga do quindim.
bjocas,
Simone

Sandra Aguiar disse...

Ana, que veia literária você tem! Amei tudo que li até agora. Você tem o dom! E o quindim ficou de babar, hein? Também tenho um problema sério para acertar o ponto do quindim... mas eu chego lá!
Um abraço.

Coisinhasdalili disse...

Ai, Ana... Eu sei bem o que vc sentiu. Meu marido, semana passada, chegou com um papo de que tava com saudade do quindim da mãe... que aquilo que era quindim... Já deu pra entender, né? A pessoa aqui fazendo curso de confeitaria no SENAC se achando catou o raio da receita (que eu já tinha tentado no começo do namoro mas deu maçaroca...) e fez de novo. Todo amor do mundo segui religiosamente toda a receita... O meu não fez ploft, o meu não fez nada! Ficou lá duro, seco e grudado no raio da forminha, ou melhor nas 10 forminhas. Penei pra limpar as 10 forminhas. Eu tive paciência, tive amor mas decidi que quindim não é pra mim! kkk Nem na padaria!kkk Bjs