Páginas

terça-feira, 19 de maio de 2009

Boeuf Borguignon

Na sexta-feira passada, achei que encerraria uma semana daquelas, saindo de uma gripe horrorosa, acompanhada por uma cistite não menos. No sábado, festa dupla de aniversário com direito a show de rock anos oitenta; no domingo, boeuf borguignon na casa da comadre. Uhu!
Que nada. Logo no começo da tarde de sábado, me veio uma dorzinha nas costa, sorrateira e insistente... foi aumentando, aumentando até eu eu curvar. Resultado: três pedrinhas bem redondas no meu rim direito!
Mas, deixando a dor de lado, abro um parêntesis pra falar do prato que é especialidade da minha comadre. Ela e o compadre, que são pessoas viajadas, moraram na França um tempo e fazem o tal boeuf borguignon de vez em quando, pra matar as saudades.
A primeira vez foi logo que eles retornaram. Eu estava grávida do meu caçula e eles seriam os padrinhos. Nos convidaram num sábado, ainda faltando bem umas duas semanas pro meu parto. Era julho e eles viajariam no dia seguinte, a tempo de voltar e conhecer o afilhadinho.
A grávida gulosa comeu feito uma alucinada. O prato é delicioso, suculento e nada leve (carne vermelha, vinho tinto pra marinar e batata).
Nos despedimos e, já no caminho de casa, me senti cansada além da conta. Cheguei e fui tirar aquela soneca vespertina (direito adquirido de toda mulher grávida). No comecinho da noite, a surpresa: o tampão havia saído e eu estava em trabalho de parto, com as contrações mais fortes que já tinha sentido na vida. O Lô nasceu um pouco depois da meia-noite, forte, lindo e saudável.
Eu sou comilona confessa. Não tenho jeito. Mas tenho o grave problema de implicar com alguns pratos que me trazem memórias de dor. Certa vez tive um outro episódio de dor forte e estava comendo amanditas no cinema. Nunca mais consegui colocar uma na boca (mas não deixei de ir ao cinema!).
E, no domingo, marido foi com o Lô na casa da comadre, pra comer boeuf borguignon. Fiquei em casa, curtindo minha dor nas costas e uma baita dor de cotovelo. Achei, inclusive, que não gostava mais do prato.
Ledo engano. Maior que a minha implicância, é a minha gula. A comadre mandou uma quentinha, que comi ontem no almoço. Simplesmente delicioso!

Aliás, ia pedir a receita para ela, para colocar aqui, mas acabei esquecendo. Então, vai a do Olivier Anquier mesmo:

Boeuf Bourguignon
• 150 g de bacon (a comadre não coloca bacon, pelo que percebi)
• 1 kg de alcatra cortada em cubos grandes (pode ser músculo ou coxão mole também)
• 2 cenouras descascadas e fatiadas
• 1 cebola grande descascada e picada
• 1 garrafa de vinho tinto seco
• Ramos de alecrim e tomilho
• 1 folha de louro
• 1 talo de alho poró
• 1 talo de salsão
• 1 anis estrelado (nem coloca anis)
• 1 dente de alho picado
• 12 echalotes - cebolas pequenas descascadas
• 200 g de champignons de Paris frescos, finamente fatiados
• 1 tablete de caldo de carne
• 1 tablete de tempero de cebola
• ½ xícara de chá de água
• 40 g de manteiga
• Açúcar, sal, pimenta e óleo a gosto

Prepare assim:

• Em uma panela, frite o bacon e espere até ele ficar bem torradinho - retire da panela e reserve;
• Em um recipiente grande faça uma marinada: junte todos os legumes, a cebola grande picada, o alho poró, o salsão, o alho e os temperos e cubra tudo com o vinho tinto;
• Deixe a marinada descansar na geladeira de um dia para o outro;
• Coloque uma frigideira para aquecer em fogo alto;
• Separe a carne da marinada e esprema ela bem para escorrer todo seu suco (pode-se usar um pano ou uma peneira grande);
• Refogue o alho e a cebola na frigideira e coloque a carne para cozinhar;
• Em uma panela pequena aqueça uma mistura de manteiga e óleo;
• Descasque as echalotes e coloque-as na panela para dourar;
• Retire a carne da frigideira e reserve;
• Na mesma frigideira acrescente os cogumelos;
• Acrescente a água e um pouco de açúcar nas echalotes, espere a água evaporar e o açúcar caramelizar, até que fiquem macias;
• Coloque toda a marinada na panela onde estão os cogumelos e acrescente o sal, o caldo de carne e o tempero de cebola - cozinhe em fogo baixo, tampado, por 2 horas (ou até a carne ficar macia);
• No momento de servir, junte à panela o bacon reservado e as cebolas.

12 comentários:

Dri disse...

Oi, Ana!
Boeuf Bourguignon é mto bom mesmo!! Meu pai fez um dia lá em casa depois de assistir ao programa do Claude, o "Menu Confiança"..=)!
Vinho e carne vermelha é uma ótima combinação!
Já está melhor das dores?
Bjs!

Nana disse...

Ana, eu amo esse prato, ele é demoradinho de fazer por que o vinho tem que incorporar bem na carne.
Essa será a minha sugestão para dia dos namo hehe
Bjs

ana sinhana disse...

Nana, é perfeito pro dia dos namorados! tomara que esteja friozinho!

Dri, melhorei, mas as danadas ainda estão lá e, de vez em quando, dão o ar da graça!

Bjs

* Atelier Ao Meu Gosto * disse...

Olá Ana

Espero que já estejas melhor da dor de costas, que chatice as 3 pedrinhas redondinhas :(
Nunca provei esse prato, não sou muito fã da comida francesa :) Gosto mais dos pratos portugueses!

Beijinho,
Lena

Arkhesanato disse...

Que delícia Ana, vou tentar preparar aqui na minha casa, já que São Paulo resolveu esfriar de vez...
Melhoras querida, desejo tudo de bom pra vc!
Já vi no blog da Mara que você vai estar na Mega Artesanal em junho, estarei lá com certeza para fazer umas comprinhas...
Beijinhos.

harumi disse...

oioi, Ana!
que coisa chata estas pedrinhas... mas que bom que vc está melhor!!! vou rezar aqui pra melhorar de vez! ;-)

ah, adorei a receita! tb sou uma comilona, não há jeito pra isso! será que são os genes japas? hahaha...

beijocas e bom restinho de semana procê.

Carol disse...

Tudo muito bom, o Borguignon é uma carne maravilhosa, na verdade é o músculo e que chamando assim até o mais chatinho dos gourmets cai de boca. Grande beijo

Taís disse...

Ana, acompanho seu blog há uns bons meses, mas acho que nunca comentei... Admiro muito pessoas com o seu perfil "mãe, costureira, cozinheira..." - meu sonho é um dia chegar lá! por enquanto sou apenas uma publicitária, acelerada e estressada, que tenta fazer umas costurazinhas no tempo livre (que é bem curtinho!).
Acompanho também o Superziper, fiquei muito feliz com a sua participação por lá!
Enfim, vim realmente para te parabenizar pelos trabalhos, que são lindos e incrivelmente criativos.

Abraços com carinho.

ana sinhana disse...

Oi Taís, obrigada!
Eu era uma economista, também estressada, mas meio infeliz. Depois que fui fazer o que gosto, que é costurar, fiquei outra pessoa, mas tranquila e muito mais feliz!
Mas fazer umas costurinhas no tempinho que sobra também é bom demais!
Bjs

ana sinhana disse...

Carol, tem que ser carne dura, né?
Mas fica muito bom depois de tanto cozimento!

Oi Harumi! Será que são nossos genes? hehehehehe

Oi Khennia, não estarei todos os dias lá, mas vou visitar as meninas sim!
Bjs

ana sinhana disse...

Oi Lena, já estou melhor sim, obrigada!
Bjs

Bárbara Lopes disse...

Uma boa comida sempre ajuda em momentos de dor... ou mesmo depois! Parece muito bom, mas nunca comi.

Melhoras aí da gripe, das dores... saúde querida!