Páginas

sábado, 18 de julho de 2009

Arrey, Baba! Novela, livro e filme!



Há tempos não acompanho novelas, simplesmente porque não tenho a disciplina necessária para ligar a TV no mesmo horário todos os dias. Mas confesso que gosto muito dos vilões ardilosos do Gilberto Braga (Odete Roitmann é inesquecível).
Nos últimos dias, na casa da sogra, me diverti vendo a tal novela "indiana" das nove, com seus cenários plastificados e bordões que rapidamente viraram mania nacional.
Por coincidência, levei na bagagem o livro Sua resposta vale um bilhão, de Vikas Swarup e a comparação foi inevitável.
A India global parece rescender o tempo todo a cardamomo, canela e demais especiarias, reluzir em seda e pedras preciosas. Já no livro, a India descrita pelo menino de rua Ram é fedida e suja, com esgotos à céu aberto, mães lavando louça na água contaminada da favela de Dharavi e crianças nuas brincando no meio do lixo.
Apesar do cenário, assim como na novela o livro diverte por ser fantasioso e a narrativa é uma clara referência a Sherazade em suas mil e uma noites, pois o menino conta sua história como única forma de sobreviver à acusação de ter fraudado o programa de televisão do título, em que acertou todas as perguntas ganhando 1 bilhão.
Ram Mohammad Thomas é a síntese do anti-herói picaresco desde o nascimento: órfão, é adotado pelo Padre Thomas, que o batiza de forma a agradar hindus, muçulmanos e anglo-cristãos. De desventura em desventura, sua ingenuidade infantil dá lugar a toda sorte de atitudes na luta pela sobrevivência. E é nas mais inusitadas situações que as respostas que valem 1 bilhão chegam até o garoto, cuja ambição maior não era o dinheiro, pois Ram, apesar das mazelas que vive, é uma espécie de salvador, que ajuda ao próximo sem grandes expectativas.
Vivendo em eterna necessidade, em dado momento Ram se questiona sobre o vazio de ter todas as vontades supridas, sobre o vazio da falta de desejo, numa crítica aos excessos da cultura ocidental. Por outro lado, é interessante perceber que, apesar das rixas entre castas e religiões, há a noção de que a fama e o dinheiro superam as diferenças, no melhor estilo Bollywood.
Aliás, aprendi no livro que o termo Bollywood, cunhado para descrever a nova indústria cinematográfica hindu centralizada em Mumbai, refere-se à Bombain (antiga nome de Mumbai) e, claro, Hollywood.
Não tenho grandes vontades de conhecer a India, mas o tour oferecido pelo livro é extremamente rico e, ao mesmo tempo, divertido. Há tempos não vejo um personagem tão cativante como Ram. Deu vontade de ver o filme (Quem quer ser um milionário). E, talvez, dar mais uma chance para a novela.

9 comentários:

Coisas simples da vida disse...

Minha querida amiga, Feliz dia do amigo!!!
Fiquei curiosa em ler o livro que você narrou...
Acabei de ler um - A distância entre nós - que nos reporta para a índia também...a história se passa em grande parte numa cozinha... onde uma senhora sai todos os dias da favela e vai para o bairro chique cuidar de uma cozinha de pessoas abastadas em Bombaim... segredos, amores, sofrimento, diferenças de castas... tudo no livro... nos faz pensar um pouco mais na índia, a novela ajuda um pouco....eheheheheh
beijos
telma

Rosana Becker disse...

Ana querida !!!
O filme é tão contagiante como livro e mostra a dura
realidade indiana, talvez para nós ... mas para a grande maioria dos indianos , é a vida....e assim tem que ser vivida , nem mais , nem menos !!
A novela .... bem ... quem quiser conhecer a India que passa as 9 da noite e bom marcar um tour pelo Projac , rsrs, nem de perto passa da verdadeira Mumbai !!
Beijos e Feliz dia do amigo !!!

Coisas simples da vida disse...

Anaaaaaaaaaa........
me senti tão privilegia, quando abri o meu blog agora e pouco e vi que você estava me seguindo..... vou dormir mais feliz.... e "me achando"... você é tão, tão mais em tantas as coisas.... e eu com certeza sou mais velha que você... mas estou no cemecinho de muitas coisas na vida...mas estou animada em continuar... em aprender... em ser feliz...
]um grande beijo
telma

Tammy disse...

Hello Ana, Love your writing. It is helping so with my Portuguese. The "cardamomo and canela" description of India has me wanting to make some nan and ratha and hunker down to an indian feast and give the novela a try. but how do you sit down every night with a baby and a blog to worry about!? rrrsss. adora conversando com voce tambem. como vc mostro seu ingles PERFEITO. eu vou mostrar que eu sabe escrever ZERO em portuguese. vergonha mesmo. bom dar um olhado no meu blog...usei a foto vc me mandou. warm spices on this freezing night...bjs tammy

Laély disse...

Ana: Sou um "ET", assim como você: não assisto TV, muito menos, novelas! Não é que "eu me acho", não: é pura falta de tempo( e paciência!). Mas já dei uma olhadinha: não é que é engraçado, justamente pelos absurdos?! Já se divertiu com novelas mexicanas? Faço a maior propaganda: a melhor coisa pra desestressar!rsrs
Eu assisti o filme e gostei tanto que fiz um post sobre ele. Muito interessante e bem real, "mas sem perder a ternura!" Amei!
Abraço da amiga virtual nesse dia especial!

Pedaço de Amor disse...

Eu assisto e me divirto, muitas vezes xingando...rssss...Esse livro deve ser bom!

ana sinhana disse...

Elô, o livro é muito legal! Dá vontade de começar a ler de novo, acredita? Mas já comecei outro...
La, eu gosto de alguns seriados. Ultimamente, andei vendo House, que a-d-o-r-o! Ainda não vi o filme, mas pretendo alugar no próximo findi, se todo mundo aqui em casa concordar! Vou lá procurar a postagem no teu blog, amiga!
Rô, que bom ter sua visita por aqui! A Globo é mestra em banalizar as coisas, né?
Telma, deixa disso! Somos todas aprendizes!
Bjs e feliz dia do amigo, queridas!

ana sinhana disse...

Hi Tammy! I live near a forest and it's really cold tonight! A spice CHAI would be perfect (and nan... but I'm trying to stay away from carbs at night).
You're so kind. my english is far from perfect, but it's so nice talking to you!
Love, Ana

Erika disse...

Ana,
Eu li esse livro antes da novela e fiquei conpletamente apaixonada pelos aventuras do menino Ram. Não assisti ao filme - confesso que fiquei com medo de me decepcionar, pois me disseram que há muitas diferenças do livro.
Eu, que sempre fui apaixonada pela India, estou ficando enjoada de tanto escutar arê baba, nahim e de ver aquela "dancinha"!

Agora estou lendo "O Edifício Yubiacam", ótimo também!
beijoss