Páginas

sexta-feira, 19 de março de 2010

Mini-felicidade com granola, por favor!


Ontem fui jantar com o marido (nem se animem, não foi nada romântico, apenas um temaki com coca zero enquanto esperávamos o filho grande terminar a aula de basquete) e ele me disse, sem mais nem meio mais e na cara dura, que está um pouco decepcionado com o Ana Sinhana. Que já cansou de entrar nesta casa esperançoso e dar de cara com as últimas curtinhas aleatórias. E, ainda por cima, que meus outros seguidores devem estar com a mesma sensação. Dormir junto com o ombudsman do próprio blog não é tarefa fácil: me sinto cobrada o tempo todo.
Mas ele está certo. Estou ausente e, uma vez mais, tenho a tentação de culpar a falta de tempo, o sono atrasado e a correria. É que tenho dormido com as corujas (quase que literalmente) e acordado com as galinhas (não levem ao pé da letra!), mas a vida é assim, né não?

E os dias são tão, tão corridos, que me pego pensando que na maioria deles a gente não é feliz, nem triste. Simplesmente não dá tempo para parar e pensar, em meio a tarefas e rotina. Por sorte, tem aquelas pequenas alegrias do cotidiano, como as da mocinha de Montmartre.

Mas, como não moro em Paris e não ouço sanfoninhas incidentais tocando no meu dia-a-dia, enfiar a mão em sacos transbordantes de cereais não está incluso nas minhas mini-alegrias. Morreria de medo de encontrar um ratazana ou outro bicho nojento e infectado (imaginem o ridículo da cena, euzinha gritando com um ratão pardo pendurado no dedo, em pleno mercadão). Enfim, melhor buscar alento em outras diversões.

E eis que num meio de semana comum, em que a maratona começa levantanto às 5h40 pra dar conta de levar todos pra aula, recebo uma visita. E vou passear, mostrar o que gosto para a convidada querida. E a trago para conhecer minha casa.
Quem também a segue, já sabe que estou falando da Laély, que vem mostrando suas aventuras paulistas e (honrosamente) me incluiu no roteiro.

Tive um dia delicioso, como se tivesse atracado numa pequena ilha paradisíaca num mar de caos e correria. Foi daquelas alegriazinhas que a gente guarda no coração e que tem cheiro e gosto de café com bolo, de pão com geléia. Conforto e aconchego puro!

Como ganhei geléia de cupuaçu e granola caseira, nos únicos momentos de calmaria das minhas manhãs de semana, quando sento à sombrinha da lichieira para o café com pão e geléia, sinto perdurar essa mini-felicidade.

E assim não é a vida? Um conjunto de mini-felicidades, alguns infortúnios, de vez em quando uns grandes acontecimentos de tirar o fôlego mas, no fim do dia, um sono tranquilo, que nos faz agradecer e sonhar colorido, pensando que a vida é boa, apesar de todo e qualquer pesar.
Obrigada, La.

12 comentários:

Fala Mãe! disse...

Ana querida!
Eu não tenho a classe da Amélie Poulain, mas quando criança curtia mergulhar a mão num saco de feijão da feira rs Mas nada comparado ao prazer de comer essa granola da Laély ou a geléia de cupuaçu (misturei no iogurte natural eses dias, invenção das boas) Já disse pra lá que quero muito conhecer seu atelier, que parece ser a disneylância das aspirantes a crafters, e te conhecer é lógico!!!
beijo
Cynthia

Luciana Betenson disse...

Ai Ana, que post lindo!! Como sempre arrasou, ainda bem que o ombudsman deu uma chacoalhada em você... rsrsrs! Adorei mesmo, especialmente esta última frase tão poética e sábia. Amelie Poulain é o filme da minha vida!! Fiquei com mais saudades de você e das meninas, o duro é que só vou para São Paulo na Páscoa agora...

harumi disse...

ah, adorei este post!
a vida é realmente feita de pequenas felicidades (seria muito chato ser feliz 24 horas) e mais feliz ainda quem consegue fazer essas mini-felicidades perdurarem, em momentos deliciosos na sombra da lichieira, né não?
acho que estacoisa de ter o ombudsman em casa é a sina de toda crafter.... rsrs. mas é bom, pq sabemos que é uma opinião pro bem e sincera. mas que pressiona, pressiona...hahaha....
beijocas.
bom fim de semana e feliz dia do artesão!

Fatima Guimaraes disse...

Oi Ana
Adoro seus posts e suas estórias...tava mesmo sentindo falta.
Feliz dia do artesão pra vc...com pequenas felicidades e muita coisa linda saindo destas mãos abençoadas.
Bjus

Marilia Baunilha e Patch disse...

Ana,

Esse ombudsman está muito exigente. Seus posts são adoráveis, é uma delícia de ler. Que venham quando vierem e serão muito bem-vindos.
Beijos

Eneida

Caren disse...

Oi Ana!
Discordo de seu marido. Que exigentes eles em geral são! Seu blog é ótimo, a gente (nós mulheres) sente que seus posts são feitos com o coração, com a missão de falar, desabafar, contar, informar, coisas que para os homens são iguais, mas nós sabemos que não. Essas mini-felicidades de que vc fala, como comer uma coisinha fora em vez de chegar em casa e ter que cozinhar, como pendurar uma decoraçãozinha nova, são tão importantes e vitais quanto as grandes, imensas, como ter um bebê, terminar a faculdade ou ver o filho aprender a ler...Eu acho, pelo menos eu tento, que devemos agarrar as pequenas felicidades e aproveitá-las muito.
Adoro seu blog!
Bjks

Karina Sensales disse...

É amiga... a vida é isso aí que vc acabou de escrever! E nós temos que sempre renová-la para conseguir estar de pé quando os grandes momentos chegam. Vamos em frente buscando pequenos prazeres que nos revigorem!
Bom final de semana!
Karina

Dricca Kastrup disse...

Ana, que post bonito! Diz pra marido que ele tá exigente demais... Conhecer Laéli deve ter sido uma delícia mesmo! E também me convido pra, quando estiver por aí, dar uma passadinha pra conhecer você, pode ser? Quanto à felicidade, não é mesmo na simplicidade que a gente a encontra? Eu acho que é assim...

bjobjo

c r i s disse...

Oi Ana, delícia de post!! Puxa, eu também tenho uma certa rixa com o Sr. Tempo e volte e meia fico brigando com ele...mas, quando acontece estes pequenos intervalos felizes, parece que o tempo ganha nova dimensão e a vida dá aquela chacoalhada que a gente tava precisando, não é? Aí fico pensando, que bom as coisas serem como são, tem uma razão de ser, nem que for assim...prá valorizar estes momentos e estas pessoas...lindo!! Bjo e bom findi!!

Carol de Souza disse...

Oi Ana!
Ah que nada, não se esquenta com o blog não...Ele continua adorável e melhor um post de qualidade do que 10 sem graça...E os seus são maravilhosos!!
Grande Beijo e bom fim de semana!

cristina disse...

Oi Amiga,
O post é maravilhoso como sempre, faz a gente refletir sobre as mini-felicidades da vida, que no todo completam nossas vidas. Concordo com a meninas acima, maridão está muito exigente, levando em conta os filhotes bem criados, casa bem cuidada, aventuras na cozinha e uma super artesã e ainda uma mega blogueira, haja tempo... seus testos são sempre todos cheio de aventuras reais, sensíveis e verdadeiros, eu adoooooro!!!
Obrigada pelo carinho lá no RECOMADRES sempre e principalmente ontem, meu niver, você é muito querida e carinhosa.
Beijos,
Cris João.
www.recomadres.blogspot.com

Laély disse...

Pois é, Ana. Mesmo entendendo seus justos motivos, sou obrigada a concordar com o seu marido, mas por uma questão egoísta da minha parte, porque eu sempre venho aqui, ver as atualizações(embora atrasada, às vezes) e sinto falta quando não tem novidade. Amiga vampira?! É que eu gosto , mesmo.
Amélie é tão ingênua e romântica. Tenho o DVD comigo.
O que seria da nossa correria sem essas paradas estratégicas? No mínimo, a vida seria bem mais sem graça.
Ainda tenho na boca, o gostinho do pão de limão e na memória, o carinho e simpatia sua e de sua família.
Obriaada a você!