Páginas

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Bolo, livros, tecidos e uma gaveta

Essa semana começou com um azedume particularmente difícil de engolir. Tudo doeu mais, tudo incomodou mais.
Na segunda, já me senti cansada logo cedo e depois culpada por ter dormido um pouco mais. Na terça, veio aquela sensação de impotência frente aos grandes e insolúveis problemas do mundo, somados a uma dúvida atroz sobre o cardápio do almoço. Claro que na quarta, tudo estava sem gosto e sem graça. E eu sem vontade nem de sal, nem de açúcar.
Mas eis que meu menininho apareceu por três vezes na janela do ateliê com a cara pidonha mais linda do mundo, pedindo pra fazermos bolo de chocolate juntos. Totalmente irresistível, até numa semana particularmente azeda. Entre farinha, ovos, manteiga e chocolate não encontrei a solução perfeita para a questão palestina. Mas a semana ficou mais doce.
E pude folhear os livros novinhos recém-recebidos com a vontade aguçada, como deve ser.
Até uma tarefa boba que eu adoro e havia adiado teve um gosto melhor ainda: lavar e passar os tecidos novos, fazendo uma pilha cheirosa e colorida, enquanto pensava no que fazer com eles.
Talvez o segredo para dias assim esteja em não "queimar a mufa", como diz a minha mãe, pensando tanto nos grandes problemas, nem se concentrar no cansaço estressante de não encontrar soluções mágicas, nem saídas estratégicas. De quando em quando, uma pequena trapaça (a de enfiar os problemas provisoriamente no fundo da gaveta) tem o poder de trazer algum equilíbrio, ainda que momentâneo.
E, nesse caso, as pequenas alegrias podem ser um ótimo coadjuvante.
=)

24 comentários:

Decor e salteado disse...

Ai, Ana... Acho que também estou precisando bater um bolo... rs

Lindo post! Bjs

Lu

Taia Assunção disse...

Menino com cara pidonha é irresistível e adoça o nosso dia. Beijocas!

Luci Cardinelli disse...

Sei bem como é isso, mas essa carinha pidona e gostosa consegue curar tudo, não é? :)

Você falou uma coisa que eu não havia pensado :( Comecei a trabalhar com tecidos e não os lavo antes... olha que minha mãe era costureira e não cortava um tecido antes de molhá-lo....

obrigada e ótimo dia

Cris Chiosini disse...

Oi, Ana.
Esse foi o texto perfeito para o dia (in)perfeito... pelo menos, pra mim, foi ! rs
Vou mudar o foco e tentar 'adoçar' o meu dia do melhor jeito que puder...
Que o seu final de semana seja ótimo.
Beijos.

Nani Veiga disse...

Eu entendo Ana,dia desses com a cabeça cheia de problemas(mudança,obra,saúde) e querendo abraçar o mundo,larguei um pouco de pensar,fui pra cozinha ,fiz um risoto com o meu marido e abrimos um vinho,ele estranhou pois até sobremesa especial eu preparei e me perguntou se era uma data importante,eu respondi que era o dia:"de não pensar",dia de saborear,esquecer,viver aquele dia,somente aquele momento...
As vezes é melhor não pensar...
Um dia conversando com o meu médico,ele me falou uma coisa que eu nunca tinha reparado,mas se for reparar faz sentid":Quem pensa muito,sofre mais...Eu que o diga!
Beijão e que Deus te abençoe e te ajude!
Nani

Ana Matusita disse...

Oi Cris, dias imperfeitos fazem dias um pouco melhores parecerem perfeitos. Fica a dica!

Oi Nani, estava com saudades de vc. Como anda a mudança? Certamente, virão muitas novidades fofas aí do seu lado, né?

Oi Luci, molhar os tecidos antes de costurar é regra básica!

Oi Taia, fala se não é o fofo mais fofo do planeta?

Oi Lu, vaijá pra cozinha!
Bjs e bom findi,
Ana

RoMoreno disse...

Oi Ana, Porque que nós adultos temos manias de remoer e enaltecer problemas né?? Se a vida é tão simples como fazer um bolo de chocolate!!! Beijos e bom final de semana...

Patricia disse...

Ana, quantas vezes meus filhos "me quebram" no meio da rotina, fazendo um pedido desse tipo: as vezes é só pra brincar de hotwells ou só assistir um filme juntos ...
Viu ... o quinto tecidinho (de cima pra baixo) é lindo !!! será que dá certo misturar com matrioshkas ?

Beijo Ana
Patricia T.

Milena disse...

Ana querida,escrevi um recado para você mas na hora de confirmar,estava logado na conta do meu filho.
Mas o que eu dizia era o seguinte:não tento mais carregar todos os problemas do mundo na minha bolsa.Ela estava ficando pesada demais e o meu nível de ansiedade também,prejudicando minha vida.Então,em uma atitude de auto-medicação resolvi filtrar o que realmente me afeta(isso,sem falar que moro no Rio)e viver cada dia de uma vez.Parece livro de auto ajuda,mas na verdade é um pouco de manual de sobrevivência.Só não consigo a terapia de fazer bolo e já te disse o porquê,mas também já estou trabalhando para melhorar isso.

Bom fim de semana,
bj
Milena

Kelly Reis disse...

Ana,
é assim mesmo, as vezes as coisas começam a desandar, mas basta um simples gesto ou atitude, das mais corriqueiras pra nos trazer de volta aos eixos. Mesmo que lá no fundinho da gaveta, tenha algo aguardando uma solução. A hora dela chegará.
E sim! É o fofo, mais fofo do planeta (quinemomeu...rs)

bjs e bom findi

Thiara Ney disse...

Nada como um doce para deixar o dia mais gostoso, né!?
Bjos!
=D

Andreia disse...

Oi Ana,

Tem dias (ou semanas) que tudo parece sem cor, sem sabor...
Mas como você disse, nada como empurrar os "insolúveis problemas" um pouquinho pro fundo de uma gaveta qualquer...
Parece mágica!Tudo começa a clarear...
Beijo,

Andreia
http://universoemcores.blogspot.com

BRANCA disse...

Ana querida,
Seu post me fez refletir sobre um problema que enfrentei ontem e que pode mudar o rumo da minha vida... Não estou mais com medo, se assim tiver que ser, assim será... As vezes enganamos a nós mesmos de que tudo está bem, mas chega uma hora que a verdade insiste em aparecer, e nem sempre ela tem uma "cara" boa...
Beijos

Sara disse...

Esse post caiu como uma luva pra mim. Preciso deixar os pensamentos que me atordoam de lado e ir pra cozinha fazer um bolo gostoso.
Amei o chapeuzinho de cozinheiro dele, maior charme!
Bjs

MUITO POUCO EU SEI disse...

Eu também tenho dias assim e faço o mesmo que você. Considero como um recuo, uma estratégia. Recuar para avaliar melhor qual estratégia utilizar na empreitada. E nada como um dia atrás do outro com uma noite no meio. Bom final de semana!
Berê

Thalita Sanchez disse...

É incrivel como uma criança tem o poder de nos mostrar a importância das coisas pequenas e nos fazer esquecer das grandes coisas (mesmo que por um pequeno intervalo de tempo).
Lindas fotos!
Bjs

harumi disse...

ah, adorei! e concordo:
com bolo de chocolate a vida fica melhor,sim! ainda mais com ajudante tão fofo como o seu!!! (^_^)
beijoconas.

Mari disse...

olá, Ana
Você tem toda razão....tem dia que só carinhas lindas dos nossos filhos ou netos(no meu caso) são capazes de mudar aquela angustiazinha interna da gente. E o que pode ser mais gostoso que um bolo feito a 4 mãos? Coisa tão simples e que dá tanto prazer!
Menina, amei os tecidos! São nacionais ou importados? Onde encontrá-los? Beijocas

Saron disse...

Oi Ana, é ruim quando ficamos assim.Amuados, como diz minha mãe.Mas gostei da resolução, pequenas coisas muitas vezes modifica o estado de espirito.E como vc disse não vale apena queimar a mufar atras de soluções...Bjos

Coisas simples da vida disse...

Olá Ana....
Tenho me sentido assim também... e tenho uma desvantagem, não sei colocar isso em palavras... como você faz tão bem....
Espero que você já esteja animada, e que logo, logo, tenhamos novidades com seus tecidos lindos.
beijos
telma

Cecilia e Helena disse...

Ana
Entendo perfeitamente esse tipo de sentimento... tem dias que estou assim, tão pra baixo... fico exatamente a pensar nos problemas do mundo, e num sentimento muito grande de impotência. Mas aí, lembro-me de que tenho uma filha linda, e que, se eu puder criá-la para ser uma pessoa legal, isso já está valendo... é a minha contribuição para o mundo.
Beijos, querida!
Helena

Luciana Betenson disse...

Ai querida... parece que você fala para mim :-) Obrigada por este texto, lindo, que caiu como uma luva neste meu momento. Beijos,

Laély disse...

Acho que é isso que preciso, no momento: bolinhoterapia, recheado de muito carinho de menino!

Tamy disse...

Esse livro do Jamie é maravilhoso!!!!