Páginas

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Espaço Tomate Cereja

O Espaço Tomate Cereja abrirá suas portas a pequenos, médios e grandes meninos e meninas no próximo sábado. A proposta é das mais bacanas: reunir, num mesmo lugar, roupas e acessórios para o universo do zero ao dezesseis criadas pela marca, além de objetos para casa e crafts bacanas. Tudo isso num espaço lindo e lúdico, pensado tanto para as crianças e adolescentes quanto para os pais.
E eu tenho a alegria de participar da iniciativa como parceira!
Miaus, corujinhas e acessórios Ana Sinhana estarão , junto com outros crafts muito legais.
Então, se você está em SP, corre no sábado pra conhecer o Espaço Tomate Cereja!
Espaço Tomate Cereja
Rua Monte Alegre, 386
Perdizes - São Paulo/SP
tel: 11 3672 1114

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Caminhos

Nunca gostei de algumas coisas antigas, daquelas que toda casa de tia velha tem, como panos de prato com os dias da semana bordados, capinha de filtro e botijão de gás e... caminhos de mesa. Sempre achei a cafonice em tecido.
Eu disse nunca? Sempre?
Mania de levar tudo à ferro e fogo!
Ainda bem que as coisas mudam e a gente revê velhas opiniões. E a moda da semana passada que ficou cafona ontem é o vintage tão raro e procurado de hoje!
Tá, tô exagerando. Mas, ao menos em parte, relaxei meus arraigados conceitos e fiz minha versão renovada do tal caminho. E confesso: gostei e adotei!
Olhem só:
As frutinhas fofas de crochê são dessa minha talentosa amiga aqui.
Mea culpa
feita, atesto e dou fé: continuo detestando os tais paninhos com dias da semana e não pretendo encapar meu botijão de gás nesta vida.

p.s.: percebeu que a sua mesa precisa muito, muitíssimo de um caminho colorido? me manda um e-mail!
anamatusita@gmail.com

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Mimimizando...

Tá dureza. Eu corro, corro e corro e volto pro mesmo lugar. Todo final de ano (sim, gente, é hora de cair a ficha! logo chegam os panettones e as Lojas Americanas ficarão infestadas de enfeites made in China!) é assim e eu já devia ter me acostumado.
Mas não vou me render à minha tendência ao mimimi. E, confesso, por pura falta de tempo.
Só vou colocar aqui que sinto falta "dazamiga" do twitter, de visitar os blogs queridos e de assistir TV.
De resto, olhem as bolsinhas novas que fiz (tem mileuma outras coisas pra fotografar...):



Eu vou, mas (logo?!) eu volto!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Dominicais

Flores apanhadas no quintal numa trégua da chuva. Aliás, a água que caiu foi o melhor cenário para o dia, passado dentro de casa. E, juntinho das flores, uma delicadeza mandada de longe pela Taia! Obrigada, querida! O king crab trazido pela madrinha-comadre. Ou melhor, suas pernocas carnudas. Nham-nham! Torta de todos os restinhos de berries que encontrei na geladeira (amora, framboesa, morango e blueberry) e massa de farinha de amêndoa. E o coadjuvante que virou estrela, sorvete caseiro de baunilha, feito com o meu atual xodó culinário: minha baunilha feita em casa (depois eu conto direito, prometo!).
Assim se faz um domingo dos bons...
Boa semana!

sábado, 25 de setembro de 2010

Na cozinha: crumble de caju


Ontem à noite recebi o pedido da sobremesa preferida dos meninos aqui em casa: torta de maçã. Acontece que essa é a especialidade do marido, que chegaria tarde, cansado e de mau humor por causa da reunião de hoje cedo.
Então, resolvi a coisa do meu jeito, muito singelo porém gostoso: fiz um crumble de maçãs. Mas como a larica da noite de sexta também havia me pegado, lembrei dos dois cajus na geladeira (cajus na geladeira são inesquecíveis, porque o cheiro que deixam é absurdamente impregnante...) e do crumble surpresa que comi há algum tempo, na casa do padrinho.
Surpresa porque foi a primeira vez que comi a fruta cozida e quase não entendi do que se tratava. Apesar de muito doces e suculentos, cajus aguentam firme o cozimento e não perdem a textura, não se desmancham. Depois de um tempo dessa primeira surpresa, cheguei a comer uma versão salgada num restaurante chinês-vegetariano daqui de Campinas, cujo buffet é cheio de pratos misteriosos (muito por conta da barreira da língua, já que a pergunta é seguida de muitas interjeições e gestos difíceis de decifrar).
Enfim, passei a ver a fruta com olhos mais simpáticos pois, quando criança, era um festival de suco e doce de caju industrializados em casa que não acabava mais. Detestava aquele sabor marrento e a cor sem graça do suco, mas era presença de todo dia na mesa do almoço.
O crumble é facinho, baba total, pra fazer rapidinho antes do seu seriado favorito (aliás, ontem vi o primeiro episódio da nova temporada de The Big Bang Theory e quase morri de rir. Estava com saudades da risada esquisitinha do Sheldon).

Crumble de Caju (ou maçã)
(fiz a receita infalível ensinada pela madrinha Silmara e separei 2/3 para as maçãs e usei o resto para os cajus, num potinho menor)

100 grs. de manteiga gelada
100 grs. de farinha de trigo
100 grs de açúcar
2 maçãs descascadas e cortadas em fatias médias (usei 3 maçãs gala bem pequenas)
2 cajus picados

Corte a manteiga em pedaços menores e amasse junto com a farinha e o açúcar, até ficar com o aspecto de farofa. Use seus dedinhos, sem medo de meter a mão na massa.
Disponha as maçãs/cajus em travessas pequenas que possam ir ao forno e cubra com o crumble. Asse até dourar (desculpem, esqueci de verificar o tempo de forno).
Enjoy!

*p.s: obrigada pelo carinho no dia do meu aniversário. Fico feliz da vida em receber esses agrados e gostaria de agradecer pessoalmente, ao vivo, com uma fatia de bolo. De qualquer modo, fica meu afeto virtual a todas que passaram por aqui com palavras gentis e bons desejos!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Pequenas alegrias domésticas: matrioskas na cozinha


Os medidores com formato de matrioskas não vão deixar o bolo mais gostoso, nem facilitar a receita ou a limpeza da batedeira. Mas coisinhas bonitas fazem dias chatos ficarem mais alegrinhos.
E, de vez em quando, tornar a rotina de todo dia mais agradável e divertida é o melhor que se pode fazer.
Os medidores mais fofos que já habitaram a minha cozinha são da Fred Flare.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Pé de morango

Eu sei, eu sei. Morango não nasce em árvore, menos ainda morangões de 20cm num pé de lichia.
Mas o que é que a freguesa não me pede chorando que eu não faço sorrindo?
Brincadeirinha, não teve choro. Só uma amiga organizando o chá de cozinha de outra amiga.
Fico pensando nas delícias que essa moça vai preparar...
Eita amiga de sorte essa!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

WP #12: guardanapo com monograma


Há muito tempo atrás, lá na minha tenra infância, me acostumei a ver meu pai usando lenços de tecido. Naquela época, lenços descartáveis de bolso não existiam e, se existissem, seriam caros. Então, vi muitas vezes meus pais comprarem caixas e caixas com jogos de quatro lenços de algodão, em geral de cores claras e com algum padrão simples na borda ou monograma bordado. Para as crianças melequentas, minha mãe carregava fraldas de tecidos. E eram varais cheios desses panos, quarados e passados com esmero pela mãe sofredora.
Hoje em dia, por mais que eu ame tecidos, acho que não me renderia aos lenços reutilizáveis; tenho em casa uma população masculina alérgica, cheia de todos os "ites" possíveis e, só de pensar em lavar e passar lenços, a dona de casa desesperada que hoje habita meu ser grita de pavor.
Mas confesso que tenho saudades de outro item de tecido: os guardanapos de pano. Outro dia, uma amiga comentou comigo depois do meu almoço de aniversário que achou super bacana a gente ter servido tudo com a nossa bela porcelana chinesa (isso lá é chique, hoje em dia?). De fato, acho que faz toda a diferença e valoriza a comida e, apesar da praticidade dos descartáveis (especialmente nas festinhas infantis), ainda prefiro os pratos e talheres de verdade nas festas com poucas crianças, por mais simples que sejam.
E aí me peguei pensando que deveria usar mais guardanapos de tecidos, ainda que me venha de cara a minha própria imagem mordendo os lábios diante do conviva limpando a boca cheia de molho no meu guardanapo cheiroso, passado e engomado.
Coisa de mulher doida, deletem!
Prefiro ficar com a cena em que os guardanapos de pano aparecem cheios de bossa, compondo uma bela mesa. E é essa imagem que me fez fazer esse joguinho, que dei de presente, de cinco guardanapos com uma versão rápida, porém charmosa, dos monogramas da família: para os progenitores, estampei as iniciais em caixa alta; para os filhos, usei minúsculas. E, só para diferenciar, usei um tecido de bolinhas para a ala feminina da família (nada a ver com o fato do tecido xadrez ter acabado, nada mesmo...). O mais demorado nesse projeto é fazer a barra dos guardanapos. Fiz o canto mitrado (ou em ângulo), que acho mais caprichado. Mas vale só dobrar e fazer a barra mesmo. Para as iniciais, usei carimbos de letrinhas, fáceis de encontrar.
Um detalhe interessante: a inicial de um dos filhos saiu com a cor totalmente diferente dos outros, apesar de ter sido usada a mesma tinta. Isso só confirma o que minha mãe sempre me disse: "se até os dedos da sua mão saíram cada um de um jeito, porque você acha que seus filhos deveriam ser todos iguais"?
Boa semana!

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Parabéns pra mim, parabéns pra você!

Amor, amigos, crianças e um dia ensolarado pra começar mais um ano!
E velinhas assopradas em dupla com a querida Maricotinha!
Parabéns pra gente!!!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

WP #11: pesinhos de morango


Uma das minhas muitas manias é passear por lojas de ferramentas e tranqueirinhas do "tipo faça você mesmo". Cada louco com a sua mania, né? Marido, por exemplo, a-d-o-r-a conferir as últimas novidades entre os medicamentos na farmácia.
No meu último passeio, vi essas argolinhas com prendedores e comprei dois pacotinhos, pensando que poderia inventar algo interessante.
E em plena temporada de morango, me veio a ideia de fazer pesinhos para as pontas de toalha, que sempre voam com o vento no quintal. Tá, não é nada super mega ultra necessário, mas quem liga pra necessidade quando o negócio fica assim, tão bonitinho?
Para dar peso, usei bolinhas de gude miudinhas afanadas da coleção do caçula (e aqui, abro parêntesis pra contar que lá na minha terra - e na do marido também - bolinha de gude, sempre foi bolinha de gude. Só que, certo dia, caçula chega em casa alucinado com um pedido: começar a colecior BURQUINHAS. E a gente, na santa ignorância que acomete os pais a certa altura da vida, já pensamos logo em algum novo bonequinho esquisito, pra depois descobrir que nesta terra onde nossos filhos nasceram, bolinhas de gude são burquinhas! Engraçado, né não? Fecha parêntesis!).
Para esse projeto, você vai precisar de: Cada círculo usado media 15cm de diâmetro e foi cortado em quatro partes. Já para a folhinha, usei círculos de tecido verde duplos, cortados com cinco centímetros.
Fiz assim: E depois: Ficou assim: Fofo, né?
E perfeito na mesa posta pro chazinho de fim de tarde de inverno: E apesar de ter um bolo de chocolate com morango muito lindo na geladeira, que a filha fez pro niver de um amigo, o chá da tarde só teve chá mesmo. Sad, but true.
=(

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Na cozinha: pizza de banana


Sábado passado adiamos a viagem do feriado por causa do filho grande, que pediu pra fazer uma festinha surpresa pro melhor amigo, aniversariante daquele dia. Como também somos fãs confessos do menino, topamos animados, com as ressalvas de que "a festa é sua, portanto a bagunça e a limpeza também" (claro que, no fim das contas, sempre sobra, mas quando o prazer é grande, o trabalho é um preço pequeno a ser pago).
E lá foi o Juca com o pai pro mercado, comprar parte dos ingredientes (outros amigos trariam o restante), enquanto a Bia preparava um bolo de chocolate com morango de cair o queixo (já achei minha substituta-boleira e posso pendurar as espátulas!).
Foi uma delícia e até fomos convidados a participar, junto com uns poucos pais e amigos adultos (aliás, o pai do amigo é uma figura tão, mas tão querida que dá pra entender o porque de uma filho tão especial e amado).
Enfim, pizza feita, velinhas apagadas, louça lavada, bagunça arrumada, amigos felizes. E, no dia seguinte, antes de viajar, acordei cedinho e assei uma das massas da pizza que sobraram para o café da manhã. Coisa que mais gosto pós-pizzada é fazer pizza de banana pra comer com café. Simples e deliciosa!
A massa foi feita na máquina de pão, mas dá perfeitamente certo se for feita na raça, sovando um pouquinho e deixando crescer. Massa de pizza
*rende 4 redondas finas, ou 3 médias
*xícara de 240 ml

3/4 colher (chá) de sal
4 xícaras de farinha de trigo (gosto de usar 1 de farinha integral fina)
2 colheres (chá) de fermento seco para pão
1 3/8 xicara de água em temperatura ambiente

Misture os ingredientes até obter uma massa lisa e elástica. Sove um pouco. Deixe crescer em vasilha tampada com um pano e em local protegido.
Enfarinhe a superfície de trabalho, divida a massa já crescida em 4 partes e abra com um rolo. Leve para assar levemente em formas de pizza, em forno pré-aquecido a 180 graus.
Cubra com o recheio da sua preferência e leve novamente ao forno para derreter e dourar.

Cobertura de banana:
3 a 4 bananas nanicas picadas
açucar a gosto (umas duas colheres de sopa devem bastar, pois a banana já é bem doce)
canela a gosto
mussarela ralada a gosto (coloco bem pouquinho, só o suficiente para quebrar o doce excessivo).
Misture a banana, açúcar e canela com uma colher até ficar com uma consistência levemente pegajosa (a banana deve ficar em pedacinhos, mas bem incorporada com a mistura). Coloque sobre a massa pré-assada e salpique a mussarela ralada.
Leve ao forno até as bordas dourarem de leve e a mussarela estar derretida.
Enjoy!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Pequenas alegrias domésticas

É meio besta, mas adoro: tapete novo, super colorido no chão branquinho, limpo e cheiroso.
Nessa pequena produção doméstica, fui responsável apenas pela faxina. Comprei o tapete na loja mais frufru que já vi e lá me contaram que é uma senhorinha que os faz há muitos anos.
Bom feriado!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Fruteira cheia!

A fruteira aqui do ateliê está cheia de bichos. E não são drosófilas, nem bichos brancos de goiaba, não senhora!
São novos mascotes de pano fofinhos, nos sabores maçã, morango e cereja. Todos lá na loja!
Tem corujinha de maçã: Tem miau de cerejinha: E ainda tem pinguinzinho de maçã vermelha: E até totó de morango!
Vai lá na minha banca de frutas fazer a feira, vai?!