Páginas

segunda-feira, 28 de março de 2011

Casa, comida e roupa lavada


Minha vida e minha casa amanheceram viradas do avesso. Na verdade, estou numa correria alucinada há dias, entre a minha casa e a da minha mãe, que se recupera (bem) de uma cirurgia. E, no olho do furacão, ainda tive um bazar em SP no sábado e dormi na casa dos meus amigos mais queridos do Brás (nunca sei se é com Z ou S).
Hoje cedo, pensei em esticar o meu soninho, mas percebi que a faxineira tinha dado o cano... perfeito para uma segundona, né não?
Enquanto estou aqui caraminholando com vocês, a pia está cheia de louça pra lavar (inclua-se uma panela gigante que deixei queimar no fogo enquanto editava fotos pra loja), a máquina cheia roupa pra estender, e a gaveta de legumes da geladeira está uma meleca, me esperando pra limpar.
Alguém aí tem o telefone da Mulher Maravilha?
Então, lembrei de uma amiga que me escreveu outro dia que não sabe como dou conta de tudo.
Querem saber como? Hein, hein?
Eu NÃO dou conta! Simples assim.
Resolvi que não vou ser mais caxias e que, de vez em quando, vai faltar meia e cueca nas gavetas. E que cada um que se vire com seu uniforme de kung fu. Afinal, alguém vai ficar doente por causa disso?
E se eu nunca mais passar as toalhas, lençóis de malha e as calças jeans e só recolher do varal, dobrar e guardar? Alguém morre?
E se eu delegar tarefas do tipo: um lava, o outro enxuga ou um dobra, o outro guarda ou, ainda, um limpa o cocô da cachorra do quintal e o outro tira o lixo e cada um arruma sua cama? Vai dar calo na mãozinha ou vão me acusar de explorar trabalho infantil?
E faço aqui um juramento solene: se a faxineira tiver entrado no programa de demissão voluntária, nem vou sofrer (juro que não vou).
Cresci vendo minha mãe se esfalfar de limpar a casa, se negando a qualquer atividade social com os filhos pra ficar entre o tanque e a pia. E me lembro de ouvir inúmeras vezes, enquanto ela arrancava a pintura do fogão de tanto esfregar produtos químicos variados: "a 'dona fulana' vem aqui e ela é muito reparadeira e linguaruda". Ou, mudando de lado no tabuleiro: "nossa, o fogão da 'dona fulana' estava um nojo, nem sei como ela consegue fazer um café naquela casa"!
É claro que gosto da casa limpa e cheirosa. O problema está em não cair na cilada diária de se tornar escrava do lar, nem wonder woman dos tempos modernos, que se desdobra em muitos turnos. Tudo tem limite.
Para amar a casa, o melhor é estabelecer de vez quem é o dono de quem, sem missões impossíveis, nem sofrimento.
Assim, quando chegar a hora do seu seriado favorito, amiga dona de casa, abunde-se no sofá com os pés pra cima e, como diria o Frankie, relax!
Porque, além das contas pra pagar no começo do mês, uma coisa é certa: a louça não vai fugir da pia e ainda estará esperando por você ao final do programa.
Boa semana!

32 comentários:

Dani disse...

Como foi bom ler seu texto. E, depois de muito lutar, acabei cedendo aos apelos do marido pra relaxar.
Estava ficando escrava do lar, literalmente. Evitava de sair e tudo para cumprir tarefas que simplesmente não tem fim...

E é isso. Bora relaxar!
Beijo e boa semana.

Pricila Barretos Blum disse...

Oi Ana !
A conclusão que chego com seu maravilhoso texto (mais uma vez) é que somos TODAS iguais: mãe,dona de casa,craft,cozinheira,magra,cabelo incrível e cheia de culpa por não dar conta de tudo sem lascar a unha !!
Impossível !
Vamos viver um dia de cada vez, né?
Beijo grande,

Cela disse...

Aqui em casa vem uma moça limpar duas vezes por semana. Nos outros dias minha vó fica em casa sozinha a maior parte do tempo, então ela gosta de varrer todo dia e arrumar o banheiro. Quando estou aqui, eu faço isso pra ela bordar.

Nos finais de semana, nós duas e minha mãe dividimos as tarefas. :) No fim das contas, a casa é varrida todo dia, e o banheiro é arrumado todo dia também. Funciona bem desse jeito! A faxineira só faz o mais pesado mesmo. Eu contribuo deeesde criança. :P

sandra disse...

Oi Ana! amei seu texto, aqui em casa acontece a mesma coisa, eu também não dou conta, e as vezes me comporto como a sua mãe, preocupo-me com o que os outros vão pensar. Tenho uma menina com 6 anos e outra com 5, imagina a bagunça que rola nessa casa, tenho tentado fazer com que elas arrumem pelo menos os brinquedos, mais o duplinha dificil, rsrs! mais eu não desisto não, um dia chego lá. Beijinhos!

Ju Padilha disse...

ai Ana,
adorei o "new wonder woman"!! valeu pelo desabafo e se vale de apoio moral, aqui em casa uma coisa que nâo dou conta é da roupa suja! incrível como lavá-las é uma tarefa infinita! para piorar tenho uma mania de não lavar roupa com dias de chuva ou nublados, pois odeio o cheiro de roupa que secou úmida! ainda bem que este finds fez um solzinho! kkk agoro passar o lençol de malha... thats too much... male male consigo dobrá-los! kkkkk
querida, uma ótima semana!
beijinhos e melhoras para sua mamis!

Menina Prendada disse...

Oi Ana! Sempre me questionei como as blogueiras crafteiras conseguiam dar conta de lavar,cozinhar, passar, criar e desenvolver as suas pecas e ainda postar????? Realmente, o negocio e relaxar e reconhecer que não conseguimos ser mãe, escrava do lar e mulher maravilha. Um abraço Ana do blog menina prendada.blogspot.com

www.ana-meninaprendada.blogspot.com

Nile e Richard disse...

Oi Ana.
Gostei do seu texto.
A mulher não pode ser escrava do lar,jamais.
Dividir as tarefas entre os moradores da casa, e imporantíssimo.Mesmo que seja com o maridão.
Eu costumava dizer pro meu,está cansado???Eu também!!Vamos lavar a louça eu lavo e voce seca e guarda,assim discansamos os dois.
Também é de suma importância que as crianças cresçam com responsabilidade.
Gostei muito das suas iniciativas,parabéns e votos de muito boas continuações.
bjtos.Nile.

Elaine Rodrigues disse...

Ana,
Estou com você e nao abro!!!!rsrsrsr
Bjo
Elaine

jeroselino disse...

Oi amor!
Eu lavei meu uniforme de Kung-Fu hoje...
Te amo.

deise CRAFTS... disse...

Faço minha suas palavras!!!!!!!!!
Perfeito!

Baú da Dadá disse...

Oi, Ana!
Por aqui a coisa também anda crítica... Há exatos seis meses fui abandonada pela minha empregada de looongos anos. Assim, sem mais nem menos...e eu, sem nenhuma opção e sem conseguir (e juro que tentei)uma substituta à altura, não tive outr opção senão botar pra rodar o CD da escrava Isaura, em primeiro lugar nas paradas desde então. Tenho uma faxineira(once in a week), uma passadeira e é assim que tenho conciliado a rotina de trabalhar fora e dentro de casa e aiiinda sentar à máquina e ainda frequentar uma ou outra aulinha de cerâmica, que adoro, e aiiiiiinda estar sorridente e felizinha quando o maridão chega em casa à noite.
Semana passada tudo travou: a faxineira teve uns problemas e não vai poder vir este mês, então:
lerê,lerê, lerêlerelereÊÊÊÊÊÊÊ.
A vida é assim, cada vez mais chego à conclusão de que a paz deve vir de dentro, pois se a gente esperar que venha de fora, já viu, né, menina?!?!?!
Grande beijo e uma excelente semana procê, Ana!!!
Renata (www.baudadada.blogspot.com)

Ana Matusita disse...

Amor, vc é o melhor marido do mundo!
E prometo que hoje sua gaveta estará recheado de meias limpas e cheirosas.

Ana Matusita disse...

Meninas, serviços domésticos não acabam nunca, em casa nenhuma, né?
Mas a gente vai levando!
bjs

Bia, Desperate Housewife disse...

Ana, o que eu tenho visto de faxinrira dar o cano ultimamente não tá no gibi!...
Aqui em casa vem uma pessoa 1x por semana pra zerar o pesado, e eu vou mantendo ao longo da semana. Mas com 4 filhos e um marido (tudo hómi=oP) já viu né...
Sempre temc coisa pra fazer mas, de dia de semana, depois que boto meninos na escola (de tarde), vou pro sofá, boto no Law & Order e dou uma descansadinha.
(Aliás, vi uma moça muito parecida com vc na festa da escola dos meus filhos, um sábado desses! Até pensei em perguntar, mas fiquei com vergonha do micão!)
Abço!
Bia

Marina Mott disse...

Ana, ´´e assinzinho mesmo! Então, eu vou te confessar: trabalho fora o dia inteiro, tenho 3 filhos, 3 cadelas e uma gata e nenhuma empregada. Então, aboli passar lençóis, jeans e camisetas (aquelas americanas) já faz tempo!! E sabe o que aconteceu?? nada!! só fiquei menos cansada e a roupa com aquele cheirinho de sabão gostoso! Um beijo, e take it easy!!
(raios me partam: perdi o bazar...vou na sua loja virtual, tô de olho no pano com varão..lindo!!)

Katima disse...

Oi, Ana.
Você está cheia de razão.Eu aprendi a não mais passar as toalhas, e o dia que quero bater perna nas lojinhas de artesanato e coisas para casa, o almoço é congelado. Afinal nós as "mulheres maravilhas do lar", merecemos descanso, mesmo que de vez em quando. Beijos Kátima

Lyn disse...

Ótimo post.. e a algum tempo sigo a risca.. só tenho 24 anos.. casei aos 17 e já fui escrava do lar.. tipo não conseguir dar uma volta pela casasem estar com a vassoura numa mão e paninho tira pó na outra!! Mais hj tenho 2 filhos e caso fosse ainda assim.. amiga do céu.. acho q nem um xixi basico faria mais!! kkkk

Haaa hj preciso de idéias.. tu me ajuda?!
Bjos e aguardo sua sugestão..
http://lyncompletissima.blogspot.com/

Cris Corrêa disse...

Ana,

essa lição eu já aprendi, eu era maníaca por organização, limpeza, passava tudo, limpava tudo, mas, isso não me pertence mais. Minhas filhas são mais importantes, e terão essa idadezinha só agora, então priorizo. Acho que o que não pode estar sujo em uma casa é a cozinha e o banheiro, tento uma boa comida e as roupas lavadas, o resto agente dá um jeito. Outra coisa, põe essa meninada para te ajudar sim, vai ser muito bom pra eles, dá aquele senso de responsabilidade. Quando tinha 14 anos minha mãe disse a partir de hoje vc cuida da sua roupa, pra mim foi ótimo pois amo cuidar da roupa e estraguei pouquíssimas vezes.
bjk, e boa semana!!!

Nina Dias disse...

Yes!!!! Você disse tudo o que eu queria dizer um dia!!!!
Realmente , eu tenho vergonha de falar, mas já fiquei 1 mês sem arrumar a casa, sem varrer, sem limpar nada, mas eu tava depressiva!Eu já faço o que você faz, muitas vezes a roupa fica sem passar durante a semana toda e daí??? Apoiada amiga, ser dona de casa não é mole não!!bj

harumi disse...

hahahahaha...ainda bem que vc deixou a louça na pia e veio escrever no seu blog! sei que a louça continuou lá, infelizmente, mas a gente ficou muito mais feliz com a sua companhia!
ganbarê, ana! (pra todas nós, né?)
beijoconas,
da harumi

Milena disse...

Bom saber que ela já está se recuperando.
Pratico isso também.Não deixo de sair,de ver um programa gostoso,de ver uns amigos por conta da casa.
Mas,como tudo tem seu revés,se começar a bagunçar muito,fico meio chiliquenta.
Então,acho que temos mais é que delegar tarefas e pegar no pé,porque não sei você,mas filhos adolescentes adoram frases tipo:-já vai!!
-só mais um minutinho!!!
E esse minuto,no relógio deles pode virar dias,rs!!!E a casa,o caos!

Bjs

mArCeLe disse...

Ana, tô adotando esse mesmo pensamento aqui em casa e procurando ser menos "neurótica". Definitivamente essa fixação de abraçar todas as obrigações estava me deixando louca. Aos poucos, tô conseguindo relaxar. Aos poucos...

Eglair Quicolli disse...

Eu não tenho filhos e já acho complicado gerenciar tudo.

Uma coisa é certa, a louça nõa vai fugir mesmo....hehehe

E pode botar o povo todo ai pra trabalhar. Não é exploração não.

Em casa eramos em 3 irmãs e faziamos um belo revesamento de louça pra ajudar. :)

Every woman is a super woman!

Pricila Barretos Blum disse...

Oi Ana !
Queria muito ter ido no bazar pra gente se conhecer! mas não consegui...tenho um pequeno ser de 2anos e 8 meses...e meu marido estava trabalhando e eu com uma super crise de sinusite !!!
Tô amando as aulas com a Pat e conhecendo tanta coisa legal! é uma terapia,ela é muito paciente!
Vamos nos encontrar sim!
Grande beijo,

Karina. disse...

Oi Ana!

Seu texto descreve a realidade de muitas mulheres e lá em casa também dividi tarefas para a faxineira que aprece semanalmente, para o filho e marido também.
Assim, todos ajudam e eu posso me abundar no sofá e ver o CSI.

Beijos

Vera Martins disse...

Perfeito!!!

Já faço isso há muito tempo. Não deixo a peteca cair mas tb não vou virar escrava do lar.

Bjus

maristela disse...

Ana, você é demais. Tem coisas que a gente pensa que só acontece na casa da gente, mas pelo visto é tudo igual. O jeito é relaxar mesmo, o difícil é a gente conseguir. E realmente, ninguém vai morrer se não tiver cueca na gaveta, casa limpinha, cozinha arrumadinha, etc. O pior é que se a gente quiser dar conta de tudo isso, quem vai morrer somos nós. Adorei seu texto.

Viviane Polido disse...

Temos obrigação de repetir os mesmos enganos de nossas mães. Sigo a mesma filosofia, Ana. Bom saber que não estou só.
Grande abraço

Bruna M. disse...

Oi Ana, melhoras para a sua mãe!
Sobre o "não dar conta", eu também sigo essa filosofia!
Casa limpinha e cheirosa é bom, mas se a vida está corrida, não tem problema só dobrar as toalhas que saíram do varal. O negócio é se adaptar para não enlouquecer. Viva a flexibilidade!
Beijo

Carina disse...

Ana,

que bom saber que não sou a única a tomar essa resolução de não pirar com a limpeza e organização da casa! Confesso que às vezes o sentimento de culpa ainda teima em aparecer mas trato de mandá-lo embora rapidinho!

Bjao

Fernanda Marinho disse...

Faço minhas tuas palavras!
Assim que casei, passados alguns dias meu marido me disse que não havia cuecas em suas gavetas. Então disse para ele, estranho este sumiço das cuecas, pois as minhas calcinhas estavam guardadas nas devidas gavetas, rsrsrs.
E ainda complementei: quanto as minhas calcinhas, não se preocupe nunca precisará saber onde elas estarão, pois as lavo e guardo.
Agora, suas cuecas, querido, são suas...
Hoje, com quase 17 anos casados, além das cuecas, ele também cuida de toda a roupa dele. Claro, que quando dá, faço agradinhos, mas além dele, tenho minhas roupas, a dos 02 filhos, a casa, o trabalho, os meus prazeres: costurar, bordar, pintar, navegar na net etc.
Enfim, se cada um fizer a sua parte o todo fica pronto. Afinal, todos não ajudam a sujar!
Bjs.

tania disse...

Oi Ana, adorei o que escreveu.
Concordo plenamente e também com as "divisões" de tarefas. Um pouquinho para cada um, não sobrecarregará ninguém.
Até quarta !

Bjs