Páginas

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Kit I ♥♥♥♥ Cupcakes!

Se você ainda não se rendeu aos charmosos bolinhos, tá mais do que na hora. Eu, como defensora e apaixonada, me enchi de receitas e apetrechos e levo cupcakes pra mesa em todas as oportunidades.
E se você já se entregou vai gostar do novo kit Ana Sinhana: Vem com pano de copa e varão, para pendurar na parede feito panô quando não estiver enxugando a louça. E também copinhos de bolinhas (aqui, tenho que abrir pra contar que esses copinhos são o máximo! não é necessário usar assadeira própria para cupcakes, pois ele segura o formato mesmo com o peso da massa e os bolinhos sempre ficam lindos), toppers pra enfeitar e um mini-adesivo de parede. E, claro, receitinha de brinde! Um kit bem mimoso, pra declarar meu amor pela casa e pela cozinha (mesmo que ontem eu tenha dado piti na hora de fritar bife, coisa que mais detesto fazer na cozinha).
Lá na loja.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Ana Sinhana no M de Mulher

Quem frequenta o blog já deve ter percebido algo diferente no ar...
Desde o começo da semana, passamos a fazer parte da rede M de Mulher, da Editora Abril (notaram os banners vermelhos?)!
Fiquei bem feliz quando recebi o convite para a parceria, que vai agregar o que eu escrevo a outros conteúdos interessantes sobre o universo feminino. Senti a proposta como um elogio e fiquei toda faceira, como diz uma amiga, pois o blog virou um outro filho, que eu busco cuidar com carinho. E que dá trabalho, mas também muito orgulho (é, gente, o filho tá crescendo!).
E o que muda por aqui?
Bom, como dizia uma sábia senhora com quem tive a honra de trabalhar no passado, o melhor jeito de manter a casa sempre em ordem é receber muitas visitas e dar muitas festas. Assim as flores nunca ficam murchas no vasos, nem a poeira se acumula e sempre tem algum cheiro bom vindo da cozinha!
Então, a casa está em festa!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Joaninhas na toalha!

Se tem um bichinho pra combinar com piquenique, tinha que ser joaninha, né?
Melhor que formiga...
Toalha novinha, colocada na mesa do quintal antes da chuva.
Se você gostou e quer uma igualzinha, mais tarde colocarei lá na loja.
p.s.: os cupcakes são de brigadeiro, pedido do filho pequeno que tá aqui com a boca toda melecada de chocolate. E o copinho cuti encapado com crochê é da Paty Mimmos.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Na cozinha: brigadeiro de limão siciliano

Hoje meu dia terminou mais azedo que limão misturado com vinagre, então nem vou enrolar muito pra não dar pano pra manga, nem pra pieguice. Vamos à receita:

Brigadeiro mole de limão siciliano:

1 lata de leite condensado
1 colher (sopa) de manteiga
suco e raspas de 2 limões sicilianos grandes
1 lata de creme de leite sem soro

Leve ao fogo o leite condensado misturado com o suco de limão. Junte a manteiga e mexa em fogo baixo até engrossar mas não espere desgrudar do fundo da panela, pois a ideia é ficar um brigadeiro de colher. Tire do fogo, deixe esfriar e junte o creme de leite.
Como eu fiz uma outra receita de brigadeiro de chocolate meio amargo, aproveitei pra enfeitar os potinhos e a tigela de brigadeiro de limão (só coloquei no saco de confeitar com o único bico pitanga que tenho, que não é muito grande, e fui fazendo as gotinhas). Adoro esse contraste do chocolate com limão, que pra mim é das combinações mais deliciosas. Ah, os potinhos (eram seis) foram colocados em duas bacias de alumínio com gelo. Era só pra gelar mais rápido mesmo, porque servi no domingo depois do almoço, num calor daqueles. Mas achei que ficou bem apresentável e mereceu ir pra mesa assim mesmo.
É isso. De novo, é tentar transformar o limão em algo mais doce, esfriar a cabeça e pensar que amanhã tem mais.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

WP/2011 #5: a sorte grande!

Eu ainda não havia pensado na versão de pano desse animalzão simpático, até que uma amiga me pediu, no Natal passado, para criar um elefante fofinho de presente pra sogra dela, que é colecionadora de elefantinhos e precisava de um carinho extra.
Acabei fazendo uma versão almofada nos 45 minutos do segundo tempo. Ou seja, quase na véspera de Natal. Ou seja, não consegui fotografar. Mas junto com a versão almofada, rabisquei a versão bichinho de pano e fiz a peça-piloto.
Dizem que os elefantes não esquecem. E dizem também que é auspicioso manter um bibelô em forma de elefante perto da entrada da casa. Por via das dúvidas, já instalei o meu ali na mesinha ao lado da porta. Se vai dar sorte, eu não sei. Mas um bichinho fofo é sempre benvindo!
E vocês?
Alguma receitinha fofa pra dar sorte e enfeitar a casa?
Boa semana!

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

I ♥ cookie!

Desde o início das aulas, tenho trocado figurinhas com várias clientes preocupadas com o lanche e a lancheira, a mochila e tudo que envolve o bem-estar dos seus pequenos. Legal como as mães de hoje, eu entre elas, se envolvem nas pequenas decisões do dia-a-dia das crianças, como fazer um lanche gostoso e saudável. Pensando assim, ir pra cozinha torna-se um prazer, muito mais do que um sacrifício. E foi pensando no tanto que eu e meu caçula gostamos dos nossos momentos culinários, que nasceu o kit I♥cookie!
Todo fofinho, vem com três cortadores divertidos da Fred & Friends, dos gingerbread men mordidos, além de um kit de adesivos de parede, uma mini-toalha e uma sacolinha para carregar o lanche:
E também tem na versão azul e marrom, pra agradar todos os pequenos mini chefs!
Mais tarde, lá na loja!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Overdose rosa!

Lembram que falei aqui de algo que tinha feito junto com a comadre para o aniversário da afilhadinha postiça?
Na verdade, fiz um monte de coisas: toalha, convite, cupcakes... mas também inventei de fazer o must de 9 entre 10 festinhas infantis descoladas: os bolipops, popcakes, aka bolo no palito. Tem um mais lindo que o outro no site da bakerella. Os nossos foram simples, mas o efeito na mesa foi bem bonito, além de ter ficado gostoso.
O problema é que deixei a comadre sozinha com os dois pequenos dela pra terminar, num calor duzinferno. E ela me ligou depois pra falar que me xingou loucamente. Pelo menos ela é sincera, né?
Digamos que fazer bolinho no palito nesse calor não é tarefa fácil. Mas a Maria Pia ensina os truques aqui e procurei seguir o passoapasso:
Foram trinta e tantas bolinhas, depois passadas pelos confeitos pelas crianças. Uns dias depois, pra diminuir os xingos, fui na casa da comadre pra ajudar a embalar bonitinho, com laço de tule rosa e tudo: Confesso que nunca tinha feito uma festa com tanto rosa antes. Com gêmeos de sexos diferentes, nunca rolou fazer a festa da borboleta rosa misturada com pokémon amarelo; mais tarde, com um menino fissurado em kung fu e pizza, o rosa também ficou de fora. E acho que a overdose rosa dessa festa valeu pelo ano todo...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Soupe du jour


Tem dias em que nada muito fabuloso, nem catastrófico acontece. Mas a cabeça da gente insiste em empacar em algum detalhe. E então, um olhar de soslaio, um bom dia que nos parece mais seco ou qualquer outra bobeira viram motivo para a autocomiseração. E, no fim das contas, os grandes vilões da história somos nós mesmos, que nos deixamos levar por algum delírio ou angústia. Ou, como diz uma tia querida: "cabecinha vazia, oficininha do coisa ruim".
Hoje foi um desses dias, apesar da minha cabeça nunca estar vazia (quisera eu conseguir uns momentos contemplativos... simplesmente não consigo). E mesmo com a agenda mental lotada hoje, me senti meio assim, assim.
Nessas horas, só fico legal se as mãos trabalham, seja na cozinha ou seja em qualquer outra coisa. Logo que cheguei em casa, ao invés de me esparramar no sofá, fui pra cozinha. Tenho tentado fazer coisas mais leves e maneirar um pouco na alimentação por aqui, então a regra da noite tem sido intercalar sopa ou salada pros gordinhos e outras opções pras crianças.
Hoje a sopa do dia foi de brócolis mas, como faltou a foto, vou mostrar a de beterraba (ou Borscht), feita anteontem.
Usei o caldo de aparas que deixo congelado. Para fazê-lo, juntei talos de salsinha e cebolinha e talos de aipo, juntei uma cenoura, uma cebola e um pedaço de abobrinha. Deixei cozinhando por mais ou menos meia hora e guardei em potes no freezer depois de frio. É uma belezura ter o caldo pronto na hora de fazer sopas ou risottos, fora o ganho de sabor.
Voltando à sopa, usei uma cebola refogada em azeite, duas beterrabas cozidas e duas cenouras cruas. Cozinhei até amolecer a cenoura e pegar cor, salguei e bati no liquidificador. O mescladinho branco foi por conta de um pouco de coalhada batida com azeite. Delícia, tanto fria quanto quente (vai do gosto do freguês).
Mas a encalacração mental continuou depois que as crianças foram dormir. Então, voltei pra cozinha e fiz metade da famosa receita de bolo de chocolate da Glau, que a própria me indicou outro dia no twitter como fácil e delicioso (valeu, querida!).
O bolo ainda está ali na bancada, esfriando e perfumando a casa com o cheiro de chocolate, mas posso dizer que a receita é boa: ficou com cara de bolo de vó, que dá aquele aconchego de aquecer o coração e afastar qualquer nuvem cinzenta de cima da cachola.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

WP/2011 #4: SOS luminária

As luminárias japonesas de papel arroz são um perfeito caso de coringa na decoração do lar doce lar. Primeiro, porque são baratas; segundo, porque conferem um ar de aconchego instantâneo a qualquer cantinho da casa.
Na faxina de ano novo do ateliê, fiquei muito na dúvida na hora de me desfazer de uma que estava pendurada na prateleira, sem lâmpada, há um bom par de anos. No joga-não-joga, decidi que daria um bom projetinho pensar num jeito de recuperá-la. Minha primeira ideia foi pintar umas flores com aquarela mas, como a pobre já estava bem amarelada pelo tempo, achei que ficaria tosco.
Então me lembrei do suporte de uma outra luminária, também guardado desde que a parte de cima se rasgou. Foi como um encontro romântico: os dois haviam sido feitos um para o outro!
Só faltava dar um tapa no visu da luminária.
E foi isso que fiz ontem à noite. Para o projeto, usei um pouco mais de meia folha de papel de seda de bolotas, pincel e cola diluída em um pouquinho de água, só pra facilitar na hora de colar os pedacinhos de papel.
Cortei pedaços do papel de seda sem me preocupar muito com o tamanho, mas acho mais fácil não exagerar e usá-los pequenos. Na hora de colar, também não teve muita ciência: fui colando e sobrepondo onde era necessário, deixando um pedacinho para a dobra nas extremidades da luminária: Deixei secando durante a noite, pendurada num fio: Hoje, depois de seca, ficou assim: E já no seu lugar de destaque, cumprindo sua função junto com o seu par perfeito: Lembrei de uma coisa que a minha mãe falava quando eu era criança e eu rachava de rir: toda panela tem sua tampa e todo pé cansado tem chinelo velho e confortável à espera, é só uma questão de procurar bem! pena que o mundo seja tão imenso...
Observações:
1) o papel arroz é muito delicado, porém bem resistente e aceita cola ou tinta com valentia. Porém, é legal fazer o serviço com o ferrinho que vem dentro dele, pra mantê-lo bem esticadinho, pois ele rasga fácil quando está molhado. Se rasgar, não se desespere, não é nada que uma nova camada de papel e cola não resolva;
2) claro que nem todo mundo tem um suporte perdido dando sopa. Mas o projeto também funciona bem para pendurar a luminária num fio no teto;
3)a cola vai fazer com que o papel perca a flexibilidade, deixando a luminária bem firme e impermeabilizada. Mas também vai protegê-la um tanto a mais da ação do tempo;
4) sempre vale a pena olhar com carinho para um objeto esquecido, tentando pensar no que ele poderia vir a ser.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Amizade colorida!

Miaus novos, lá na loja!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Promoção pra mocinha: a vencedora é...

... a Arlene Dantas, de Minas Gerais!
Parabéns Arlene!
Entre em contato comigo para que eu possa enviar o seu livro e a carteira!
E para todas que participaram da brincadeira, muito obrigada!
Espero que a gente possa fazer muitos outros sorteios aqui no blog!
E se você ficou com vontade de ler o livro, entre lá no site/loja da Editora Arteensaio, lembrando que a edição de It Girls é linda, o preço é amigo e a gente tem que prestigiar nosso patrocinador pra ter mais sorteios bacanas assim!

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Na cozinha: azedinho doce

Continuo sendo da turma que prefere uma boa caipirinha. Mas nesse calor duzinferno minha gula pede por cítricos geladinhos de qualquer forma. E quando vi a receita de picolé de limão siciliano, fiquei muito aguada. Antes de vocês correrem lá no chocolatria pra olhar a receita, deixa eu falar uma coisa: conheci a chocolateira Simone Izumi num bazar há mais de ano e fiquei encantada. A moça tem aquele carisma, aquela queridice que me faz pensar que, por sorte, não moro em SP... senão eu ficaria no pé dela até virarmos amigas de infância (stalker feelings!), se possível, vizinhas!
Agora podem correr atrás da receita de picolé de limão, que é boa demais! E sim, a vida me dá limões tanto quanto açúcar, como deve ser. Mas já penso em outras versões azedinhas para esse picolé.

p.s.1: me distraí e coloquei refrigerante de laranja a mais (usei meia xícara ao invés de 1/3) e acho que não comprometeu em nada o resultado final.
p.s.2: a camiseta divertida é do acervo pessoal do filho grande, comprada nessa loja bacaninha aqui.
p.s.3: a forminha de sorvete em forma de coração foi comprada na Liberdade, em SP, numa das muitas lojas de fofurinhas nipônicas que se espalham pelo bairro.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Ovos (nem sempre) frescos

(poster vintage daqui)
Ontem à noite, depois de um dia atribulado na rua, resolvi parar no supermercado embora eu evite essa tarefa aqui por perto depois de uma certa hora. Isso porque o único aberto é o pior de todos; aquele em que a verdura é podre, o pão é duro e o atendimento, o pior possível. Já vi rolar barracos homéricos no caixa, com clientes espumando de raiva.
Há quinze anos atrás, quando nos mudamos pra cá, nossas famílias acharam que a gente tinha pirado. O bairro era longe de tudo, com uma única padaria e um mercadinho familiar. E nós, moradores recentes de um condomínio que se formava, éramos tratados como forasteiros, já que muitas das famílias fundadoras do distrito ainda estão aqui.
Mas o tempo passou, o bairro cresceu, vieram outros condomínios, padarias e supermercados. Nessa urbanização acelerada, acabamos nos sentindo um pouco roubados do nosso paraíso pessoal, sossegado e arborizado - provavelmente como os pioneiros se sentiram com o primeiro condomínio.
O último supermercado a abrir foi um desses de segmento classe D de uma grande rede nacional. Acho que me acostumei com os pequenos comércios familiares, bem com cara de interiorrr, em que o avozinha-matriarca da família arruma as verduras vindas da horta local todas as manhãs e o neto mais novo trabalha no caixa. É só em lugares assim que é possível ver uma abóbora de 1 metro e meio de altura vestida de branca de neve, exposta na banquinha de frutas até ser doada para o leilão da festa da padroeira. Só aqui, acho ovo caipira fresquinho, desde que não seja Quaresma, "porque galinha de verdade não bota ovo nessa época", me ensinou a dona da banca de frutas.
Nesse cenário, antipatizei de cara com o mercado das frutas estragadas e decidi que só entro lá em último caso.
E foi isso que aconteceu ontem, quando lembrei de atender a um pedido do caçula: ovinho de codorna. Numa paradinha rápida, já no estacionamento achei que tinha algo estranho no ar. Fui direto para a seção das frutas e verduras (podres) e avistei a caixinha de ovos. Logo que peguei na mão, achei por bem verificar a validade, virei a caixinha e... ecati! um ovo podre caiu na minha mão!
O tamanho absurdo do fedor nauseante que impregnou minha mãozinha de fada era inversamente proporcional ao tamanho dos mini ovos!
Corri pra tentar lavar me lavar e dei com a cara na porta: o banheiro estava fechado. Quando perguntei pra uma funcionária, ela toda sem graça me disse que eles haviam fechado as portas, por causa de um aviso de... assalto!
O supermercado seria assaltado naquela noite, pela segunda vez. Com aquela sensação de só-comigo-mesmo-que-essas-coisas-acontecem, saí de lá correndo, a tempo de ver os camburões da polícia chegando pra evitar a ação dos meliantes. Nem sei o que me assombrou mais, se foi a catinga de ovo ou o assalto anunciado.
Cheguei em casa sem os ovinhos, num bodum lascado e comecei a lavar a mão com tudo que achei na frente: sabonete de rosas, sabonete antisséptico, esfoliante de figo, sabonete líquido, álcool, limão, vinagre, óleo de amêndoas...
O resultado foi que a minha mão ficou cheirando uma mistura de todas essas coisas, além de ovo podre.
Hoje, acordei sem vontade de cumprimentar ninguém e com a ideia fixa de que devo ser menos flexível com relações às minhas promessas e convicções.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Tudo no seu devido lugar...

Um dos grandes problemas de ter um ateliê é o tanto de coisa que acumulamos. Ainda mais no meu caso, que sou detalhista até dizer chega (já deu pra perceber?). Botões, botõezinhos, botões de pressão, botões encapados, zil tipos de agulhas e linhas, papéis, fitas, fitilhos e coisinhas e mais coisinhas.
E pra guardar tanta miudeza, vivo atrás de formas de organizar e estocar as coisas. Um jeito que eu gosto muito é guardar nos vidros, uma forma bonita de expor e de achar facilmente o que eu preciso.
As tags dos produtos, coloquei num vidrão comprado no supermercado por uns 5 reais. Já para os botões, eu gosto dos vidros de geléia, aqueles de boca grande, da francesa Bonne Maman (tenho que confessar que adoro geléia, no pão, no bolo, no iogurte e até no tempero da salada, então o melhor é comprar uma de boa qualidade, né?).
E os itens de papelaria eu gosto de guardar em cestinhas. E achei essas de crochê da natzfirefly super fofas pra guardar meus carimbos pequenos e fitas adesivas: As outras ideias, todo mundo já conhece: pote encapado com tricô, caixa, mini prancheta para o papel timbrado, baldinho de lata e gaveteirinho, que logo irá passar por um extreme makeover: Uma porção de pequenas ideias, mas que renderam boas soluções!

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

I ♥ Cookies!

E tem como não amar?
Primeira novidade da série I♥Cookies, lá na loja.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

WP/2011 #03: domingo de piscina e chocolate


No próximo sábado, terei um compromisso agendado há tempos que não posso perder: um aniversário de bailarina cor de rosa (tem bailarina de outra cor?). Devo dizer que me empolgo muito com festa de criança e, se deixar, assumo o controle.
Por sorte, a comadre é bacana e me chama pra participar sempre. Nem preciso amordaçá-la ou fazer ameaças, pois ela dá corda total pras minhas ideias mirabolantes. Eu ajudo com gosto, tanto na festa do afilhado quanto na festa da afilhada alheia que é um pouco minha também.
E hoje, um domingo de sol, fomos pra casa dos compadres almoçar e fazer brigadeiros e outras chocolatices que vou mostrar depois, enquanto os pequenos se divertiam na piscininha.
Comadre reclamou que eu tento sabotar os confeitos coloridos dela há anos, desde quando só fazíamos brigadeiro no aniversário dos meus grandões. É um pouco verdade, porque je déteste os tais confeitos. E, só de birra, ela me fez fotografar e prometer que ia postar no blog.
Tá, eu me rendo: fica bem bonitinho! No fim das contas, tive que vir embora cedo (afinal, hoje é dia de jogo e marido fica indócil e assustador) e deixei a comadre com a louça pra lavar e coisas por terminar, mas com a promessa de voltar durante a semana, pra terminar outras gulodices festivas e registrar pra dividir aqui. Promessa é dívida!
Boa semana.
p.s.1: ninguém precisa da receita de brigadeiro, né?
p.s.2: você ainda não participou da Promoção pra mocinha? corre na barrinha lateral e clica pra ganhar o livro It Girls e a carteira, amiga! lembrando que o mais novo patrocinador aqui do blog, a Editora Arteensaio, tem loja virtual e a edição lindérrima de capa dura tem preço camarada!

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Promoção pra mocinha!


Quando você se torna mãe, automaticamente ganha o distintivo de especialista em sala de espera. É médico, dentista, fonoaudióloga, kung fu, natação, judô, basquete, escola... uma espera que não acaba mais. E não sei se há um acordo dos administradores de antesalas, mas as revistas são sempre aquelas pseudo-inteligentes, velhas e chatas. Nada da fofoquinha básica que a gente só pode ler na manicure, quando não tem ninguém conhecido observando.
E a música, oh my, nem motorista de caminhão de gás aguenta.
Então, sempre carrego comigo um livro, fone de ouvido e musiquinhas ou um filme/seriado pras esperas mais longas. Mas o básico de toda semana é um livro mesmo.
O legal é que meus filhos pegaram o bom hábito da leitura. O caçula, um verdadeiro devorador de livros, está quase terminando o segundo da série Percy Jackson e os Olimpianos. Já os grandes andam entre vampiros e beatniks.
E como sou uma apologista dos bons hábitos, fiquei bem feliz quando recebi um exemplar do recém lançado It Girls, da Alessandra Garattoni, pra dar de presente aqui no blog!
O livro é uma compilação das dicas de moda, beleza e afins do universo mulherzinha que a gente adora e que eram tema do blog da autora. O presente é uma cortesia da Editora Arteensaio. Vale visitar o site e dar uma conferida nas outras belas publicações.
Então, se você também é rato de biblioteca ou frequenta muitas salas de espera, me conta o último livro que leu ou está lendo pra participar do sorteio. E pra vocês não sairem falando por aí que nunca ofereço nada pra ninguém, a sortuda(o) ainda vai levar a carteira bem girlie da foto!
Além do comentário único, vale: twittar um "estou lendo/li ..... e quero ganhar o livro It Girls e a carteira da @anasinhana" e publicar o link da promo no facebook OU blog, desde que o link apareça aqui nos comentários. Enfim, chance multiplicada por três!
O sorteio será na próxima quinta, 10/02 e a promoção é válida para seguidores do blog com residência ou endereço no Brasil. Não esqueçam de deixar um e-mail de contato no comentário, okay?
Boa sorte!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Cookies noturnos

Os infortúnios de ontem terminaram em chocolate. E não, não é uma metáfora pra meleca de segunda-feira que vivi. Na verdade, meu caçula fez cara de vítima e me pediu pra fazer biscoito. E eu, que estava mais no pique de vegetar na frente da TV e depois dormir, caí na chantagem e fui pra cozinha.
Comecei a já manjada receita da tia Nigella derretendo o chocolate, mas não do jeito bonitinho que sempre faço, com a tigela de vidro no banho maria, sem tocar o fundo da panela. Que nada. Peguei o chocolate extra dark que já guardo picadinho, despejei num pote mequetrefe de plástico e dá-lhe microondas. Fui pro sofá e me afundei absorta em qualquer porcaria da TV.
E, de repente, veio aquele cheiro de plástico queimado lá da cozinha e uma fumaceira de arder os olhos... o plástico derreteu, fez uma sujeirada no microondas e ainda desperdicei o precioso chocolate. Depois de praguejar e limpar tudo, vi que a preguiça é que nem crime, não compensa a não ser que alguém faça a faxina nas evidências pra você depois. Então, respirei fundo e fiz tudo direitinho: E querem saber? Fazer as pequenas montanhas de chocolate tem um que de terapêutico. Não comi nenhum biscoito, pois estou tentando me manter firme no meu propósito de evitar a gula, ao menos nos dias de semana. Mas ouvi vários "hummmm!", "que delícia!", "tá bom!", de fontes fidedignas, bem confiáveis e que não me poupam da zoeira quando lhes cabe.
Eu bem queria ter tirado uma foto decente à luz do dia, mas hoje corri atrás dos detalhes daquele novo projeto a tarde toda. E, claro, levei o filhote na escola, no primeiro dia de aula de verdade, com cookies na lancheira, como uma mãe exemplar que anota as datas na agenda faria...
Ah, vale muito à pena ver (ou rever) a Nigella fazendo os cookies chocolatosos pra confortar uma amiga, começando ao som de I'll fix you, uma das minhas preferidas do Coldplay:
A melhor parte é quando ela diz: "well, I agree that to some people, using a half of a kilo of chocolate to make 12 biscuits may seen excessive, but I can tell you I don't put a price on alleviating human suffering" ou, numa tradução livre by me: "tem uns muquinhas por aí que acham que 1 kg de chocolate pras doze bolotas gigantes que eu chamo de biscoito é um exagero, mas eu faço de tudo pra aumentar a buzanfa dazamiga carente".
Dá-lhe, Nigella!