Páginas

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Antes & Depois: cômoda tristonha

Tem coisas na casa da gente que, com o tempo, ficam com cara de tristonhas e você nem se empenha em arrumar. Vai largando porque né, tá feia mas é útil (ou o tradicional "é véio mas tá pago"!). A cômoda do meu quarto estava assim, já com uns amassados na madeira, uns puxadores que se soltaram... só que ela cabe direitinho no canto do lado da janela, tem um tamanho bom e eu nem penso em trocá-la.
Estava assim, a tristonha: Mas, nos dias da férias, estava à toa na vida lá em Montevidéo quando passei em frente a uma La Compania del Oriente - arts & crafts, loja lindona que tem várias filiais esparramadas por toda a cidade. Fuça que fuça e achei uns puxadores de louça bem lindos, com preço um pouco mais amigo que no Brasil (algo entre R$9 e R$12). Resolvi comprar quatro, pensando num móvel da sala:
Só que, na segunda parte das férias, em Santiago, fui doida atrás de uma grande loja que eu adoro, a Falabella (que já conhecíamos de Buenos Aires). E quando vi a cestinha com puxadores parecidos em oferta por um preço pra lá de camarada (cerca de R$2 cada!), arrematei todos, já pensando em juntá-los aos outros para dar uma alegriazinha à cômoda: E sem quebra-quebra, nem lixa-pinta, a cômoda ficou mais alegrinha: Fiquei pensando que, mesmo longe, o amor pela casinha da gente é tão grande que lembramos dela como se fosse alguém a ser presenteado na volta.
E, quando gostamos do lugar em que vivemos, voltar é sempre uma parte muito boa da viagem!

terça-feira, 26 de julho de 2011

♥Para o Felipe♥



A última encomenda que fiz antes de viajar foi para meu cliente mais novo, o já muito amado Felipe, que deve chegar logo, para a alegria da Milena e família.
Estava doida para mostrar o jogo de berço e as mini-bandeirolas aqui, mas a mamãe queria surpresa. E preciso dizer que participar do processo de escolher as cores, a forma e os pequenos detalhes para o berço do Felipe me deixou orgulhosa e enternecida (afinal, tem coisa mais auspiciosa do que ter um pequeno cliente ainda dentro da barriga da mãe?).
Obrigada, Milena!
Que o Felipe venha forte, saudável e feliz!
p.s.: se alguma mamãe quiser um jogo lindo ou bandeirolas para alguém que ainda vai chegar, me fala!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

I'm back!

Depois de uns dias mais ou menos longe conhecendo cidades diferentes, cá estou eu, no conforto do lar. As férias foram deliciosas e, basicamente, tudo o que fizemos foi comer, beber, andar e dar risada. Depois conto um pouco das aventuras de julho.
Por hora, boa semana a todos!
Ana
p.s.: essa pessoa encapotada sou eu...

terça-feira, 12 de julho de 2011

Boas férias!

A gente tava precisando de um descanso, longe da rotina, do trabalho, escola e casa, pra poder ter pique e vontade no segundo semestre.
Enquanto descanso, deixei meus fiéis guardiões cuidando do ateliê.
Meus agradecimentos aos meninos queridos da Desconceito Feito, que fizeram o stop motion divertido (não vou dizer fofinho, porque eles não gostam).
Boas férias a todos!

domingo, 10 de julho de 2011

Piñata, ou como fazer a alegria da festa!

"Bate, bate, bate
Não perca a cabeça
Quem perde a cabeça
Perde o Juízo
Não quero ouro, não quero prata
Tudo que eu quero é romper a piñata
Que ela rompa!"
A musiquinha acompanhou muitas festas aqui em casa e, enquanto todos cantavam, um dos convidados batia e tentava derrubar a piñata. E a maior festa era quando ela caía no chão, junto com o tesouro escondido: muitas e muitas balas pra dividir entre a criançada!
Quem fazia as piñatas mais bacanas era o Bukke, melhor animador de festas e contador de histórias que já conhecemos. A vida tomou outros rumos e, hoje em dia, ele cria outras coisas, então, resolvi que era hora de colocar a mão na massa e criar a piñata de King Pig pro aniversário do caçula, com a ajuda da minha talentosa filha desenhista!
Divulguei una foto do passo-a-passo no facebook e, por conta da animação dazamiga, resolvi mostrar tudo aqui. Já fico imaginando que gostosuras (ou travessuras!) uma piñata adulta poderia conter!
Mãos à obra:
1. encha uma bexiga daquelas bem grandonas;
2. cubra com papel e cola diluída (só um pouquinho) em água, deixando um buraco em torno do nó da bexiga. Eu usei uma lista telefônica velha, que funciona bem porque o papel é bem fininho e as cores das páginas variam, o que ajuda a diferenciar as camadas.
Eu fiz três camadas de papel e cola e deixei secar entre cada camada durante a noite.
3. depois de bem seco, corte o nozinho da bexiga e puxe-a de dentro da bola;
4. faça uma cama de fita adesiva forte ou fita crepe, para firmar.

5. faça dois furos na parte superior da bola e passe um cordão bem grosso, para fazer uma argola e poder pendurar a piñata;
6. abra um pouco mais o buraco que ficou sem camadas de papel e cola e encha com as balas e papel colorido. Para facilitar, eu fiz um funil, cortando uma garrafinha de água;
7. recorte os detalhes em papel mais grosso (usei de embalagem de cereais) e cole com fita crepe; cubra o buraco também com fita crepe e faça mais uma camada de papel de cola, cobrindo tudo. Depois de seco, pinte com tinta acrílica branca;
8. desenhe os detalhes com lápis preto e pinte tudo, também com tinta acrílica.
E eis a piñata pronta, esperando pela festa: Durante a festa, a BIG PIGñata causou alvoroço entre a molecada, enquanto enfeitava a mesa do bolo: Depois do parabéns, foi pra debaixo da parreira apanhar (eu e a filha ficamos com um pouco de pena, mas fazia parte do plano, né?): E o porco apanhou feio: Não vou mentir para vocês: dá um trabalho daqueles fazer a tal da piñata. Mas, se parte da festa é esperar por ela, mais legal ainda é esperar pela festa preparando as brincadeiras, detalhes e gostosuras.
p.s.: não é o tipo de projeto para se fazer de véspera, pois são várias camadas de papel e cola, que devem secar bem. Um pincel grande ajuda muito na hora da lambança, assim como um paninho úmido, pra ir limpando o grude das mãos e da mesa!
p.s.2: as balas devem ser do tipo molinhas, para aguentar as porradas!
p.s.: vendar as crianças torna a brincadeira mais divertida. E também é legal formar uma fila, deixando os menores baterem primeiro, pra "amaciar" a piñata pros grandões.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

É pique!


As festas de aniversário aqui em casa sempre tiveram temas legais, porém difíceis de encontrar prontos nas lojas. E é aí é que tá a graça da festa, que começa bem antes do parabéns, pois a família inteira entra na dança pra fazer os detalhes malucos que a gente mesmo inventa. E ontem o aniversário de nove aninhos do caçula foi de Angry Birds, joguinho viciante que a gente adora!
O aniversário do meu pequeno teve bandeirolas enfeitadas com bottons dos birds e do porco rei, que depois os convidados levaram pra casa:
Claro que teve a cama elástica de sempre (que eles adoram), e as brincadeiras de bexiga e maquiagem maluca, que já não agradam mais ao público como antigamente (preciso me adaptar à nova fase...):
Quando o tema foi decidido, eu e marido até compramos um monte dos passarinhos raivosos lá da gringolândia, mas acho que eles voaram pro lugar errado e não chegaram a tempo. Então, o negócio foi improvisar. Na véspera da festinha, ficamos fazendo passarinhos e porcos verdes de pasta americana até altas horas: E a minha amiga Paty fez os lápis com ponteiras de passarinhos super no capricho. E ainda mandou um passarinho vermelho de crochê muito fofo, que foi pro meio da mesa:


Também teve bolo de chocolate, brigadeiro, cupcakes, hamburguer caseiro, cachorro quente do papai e outras comidinhas boas (festa boa tem comidinha gostosa, né?)
Também teve a piñata de porco verde, que levou pancada de todos os lados. Passei alguns dias fazendo camadas de papel e cola e, confesso, fiquei até com peninha dela:
Eu tenho que dizer que ontem terminamos o dia totalmente esgotados, com a casa toda zoneada (como disse meu compadre, esse nosso jeito democrático de fazer o filho convidar toda a turma já era. Ano que vem, a festa será petit comité!). Mas fala se não vale a pena comemorar a vida de um caçula tão amado?
Feliz aniversário, Lo!

terça-feira, 5 de julho de 2011

Era uma vez um piquenique!

Era uma vez, uma família de porquinhos que moravam numa casa de madeira... errrr... conto de fadas errado!
Era uma vez três porquinhos e um lobo mau que resolveram fazer um piquenique. E convidaram até a Chapeuzinho Vermelho, que trouxe a cestinha e pendurou a capa no pé de pitanga. A toalha foi feita sob encomenda para um menininho que adora a história dos porquinhos e do lobo. E a mamãe dele, toda caprichosa, está planejando muitos piqueniques com historinhas!
Quer encomendar uma toalha?
Vai lá na minha loja!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Crochezinho

Já contei antes que tenho mãos inquietas, né?
E como a aquela velha lenga-lenga "eu e as salas de espera, as salas de espera e eu" tem sido intensa nos últimos tempos (acho que o convênio médico vai abrir uma sindicância pra apurar o nosso uso intenso dos serviços de saúde...), montei uma sacolinha com todos os restinhos de linhas que encontrei. E no sábado, saiu essa toalhinha redonda. Coisa meio de vó, mas tava achando mesmo a mesinha do lado do sofá muito pelada! O friozão também contribui pra minha vontade de ficar quietinha, crochetando. Então já tem outra toalhinha em curso:
Pelo menos, meu passatempo para mãos inquietas tem rendido mais coloridos pela casa.
Boa semana!

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Echarpe em 49 minutos!

Eu estava feliz com meu record: quase um mês inteiro sem comprar nenhum centimetrozinho de tecido. Até ontem, no último dia de junho, quando vi essa gaze de algodão dupla face linda e... cara!
Mas fiz as contas mentalmente enquanto sentia a maciez do tecido e pensei que 50 centímetros seriam suficientes pra uma echarpe. E hoje, no fim da tarde, gastei 49 minutos contados para esse pequeno projeto. Como sempre, passei o tecido com ferro e água de lavanda, dobrei ao meio e cortei, obtendo 2 pedaços de 140x25cm. Alfinetei os dois pedaços, e experimentei no pescoço. Achei que estava grande, então cortei 50cm. Fiz as bainhas (não sei porque, mas não gosto dessa palavra!) e resolvi colocar grelot nas laterais. Usei cinza de um lado, rosa de outro: E para quem pensou em começar a reclamar porque colocar grelot em coisas longas é muito chato, eu digo que é mesmo. Mas fica super bonitinho e, com alguma prática, nem dói. Depois de costurar 250m (sim, 250 metros!) de grelot nas embalagens de Páscoa, descobri que o jeito mais fácil é alfinetar apenas o comecinho do grelot na costura e ir ajeitando com os dedos, sem cortar do novelo até chegar no finalzinho (quando o material não é barato, qualquer economia de centímetros é benvinda, né?).
Do mesmo jeito, eu não quis desperdiçar os 50cm de tecido que sobraram, e fiz um saquinho pra guardar a echarpe: Se fosse um presente, a embalagem já estaria pronta! E, 49 minutos depois, já no friozinho de fim de tarde, usei minha echarpe nova: Toda faceira, como costuma dizer minha amiga Lu! Eu gosto de usar echarpe longa assim, dobrando ao meio e dando uma laçada com as pontas. Nem sabia, mas esse jeito chama-se european loop. Aprendi nesse vídeo, que a minha amiga Lara me mandou: Bom final de semana a todos!