Páginas

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Modo de fazer: almofada geométrica

As almofadas da sala de casa estavam todas pedindo um revamp!
Depois de um tempo, a fibra fica murcha e é mesmo necessário encher mais e, aproveitando o embalo da sala "nova", decidi fazer uma almofada por semana (já fiz duas miudinhas, que estão atrás da nova na foto abaixo).
A primeira delas foi meio que um desafio. Eu fiquei matutando um tempo como faria e, no fim das contas, deu certo. Não é das mais fáceis, já aviso, mas não desanimem de cara, porque é o tipo de projeto que fica mais fácil de entender quando você está fazendo.
A almofada é essa aqui:


Comecei cortando as tiras nas medidas da descrição da foto. Emendei em dois conjuntos separados, intercalando 04 tiras em amarelo e 04 em cinza para cada conjunto.
É importante passar bem as costuras com ferro quente, jogando o excesso do avesso para a cor mais escura.



Depois, posicionei a régua numa das emendas pelo lado direito na marca dos 45° e comecei a marcar e cortar tiras transversais de 7,5cm.









Repeti o mesmo processo com o segundo conjunto de tiras mas, dessa vez, marquei pelo lado do avesso para inverter o sentido.









Depois de cortadas, obtive dois conjuntos de tiras com o desenho em diagonal.









Daí é só juntá-las do jeito que quiser. Dá para fazer um chevron diferente daquele que já ensinei aqui.









Eu optei por juntar as minhas tiras assim, valorizando bem o desenho em diagonal:


Depois das tiras emendadas, foi só refilar no tamanho da almofada que eu queria (fiz com 52x30cm), fazer a parte de trás, rechear um pouco mais a almofada antiga e... colocar na sala!

Sei que é um projeto mais complicadinho e hesitei um pouco em mostrar aqui mas, com um pouquinho de coragem e esforço, dá pra fazer. Como eu sempre digo, tudo nessa vida dá um certo trampo mas, se vale a pena, a gente acha vontade e se esforça pra fazer, né?


E a sala segue no processo de arrumação e mudança. Já tem até cortina nova, vocês notaram?
=)

terça-feira, 25 de junho de 2013

Na cozinha: pão integral com linhaça e girassol


Decidi começar essa semana descansando um pouquinho. Depois de uns meses de correria contínua, achei que merecia um relaxadinha, nem que fosse por um único dia. Sou uma pessoa agitada e nem pensei em passar o tempo colocando os seriados em dia, ou dormindo mas, como fiquei sozinha (o filho caçula, companheiro das tardes, foi da escola direto pra uma festinha), pude comer um bentô sossegada e sem ter que cozinhar, costurar a segunda metade da cortina da sala, fazer um caminho de mesa com meus retalhos preferidos (esse das fotos) e fazer esse pão integral pra janta.
Aliás, tem coisa mais relaxante que amassar pão?
Usei linhaça moída e semente de girassol batidinha na faca, o que deu um gostinho ainda mais "integral" pra receita. Dividi a farinha, usando metade branca e metade integral e, mesmo assim, ficou bem fofinho!

Pão integral com linhaça e girassol
rendimento: 5 pães médios

300ml de leite morno
300ml de água morna
30 grs. de fermento biológico fresco
2 ovos inteiros
1/2 xícara de açúcar mascavo
3/4 xícara de óleo de girassol (ou canola, ou coco)
1 colher (sopa) de sal marinho

Bata tudo no liquidificador. Depois despeje numa vasilha grande, junte cerca de 3 colheres (sopa) de linhaça moída e 1 colher de semente de girassol picada. Misture.
Vá juntando as farinhas, alternando uma xícara de farinha integral fina e uma de farinha branca (no total, usei cerca de 1kg). Amasse e sove a massa numa mesa ou superfície enfarinhada até que ela fique bem lisa e macia.
Separe duas bolinhas pequenas de massa e coloque num copo com água.
Coloque a massa na vasilha, cubra com um pano limpo e deixe em um local protegido para crescer (eu guardo no forno desligado). A massa demora cerca de 1h para crescer, mas é só ficar de olho nas bolinhas: assim que elas subirem para a superfície da água, o pão já estará crescido.
Aqueça o forno a 180°.
Volte a massa para a mesa enfarinha e divida em 5 partes iguais. Ajeite os pães nas formas ou assadeiras sem manipular muito (eu não uso rolo para abrir a massa já crescida para não perder as bolinhas de ar, que deixam o pão macio). Como eu só tenho duas formas para pão, modelei os outros 3 pães e coloquei na assadeira.
Asse os pães até que estejam corados (no meu forno, demorou cerca de 50 minutos).


Guardei os pães bem embrulhados em um pano limpo e, hoje de manhã, tinha pão fresquinho com manteiga pro café!
Delícia!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Modo de fazer: abajur na garrafa

Lembram do meu bule abajur?
Pois é, deixei o pobrezinho cair no chão.
=(
Não sei se será o fim definitivo dele, porque tenho um tremendo apego ao meu primeiro bule. Então, ele aguarda uma ideia mirabolante que eu tive ser colocada em ação (se der certo, mostro aqui).
Enquanto isso, eu precisava de um abajur novo e comecei a procurar um pronto (tempo não tá sobrando, infelizmente).
O único que achei lindo e que acendeu meu desejo consumista custava míseros 300 pilas... como dinheiro tá sobrando menos que tempo, não comprei. Até porque se tratava de um garrafão daqueles de vinho de primeiro ano de faculdade (manjam? quando a gente tomava Sangue de Boi com suco de abacaxi e achava o máximo?), com uma cúpula e fio laranja. Simples demais para justificar o preço.
Tão simples que resolvi reproduzir em casa. Sem vergonha alguma, já que não se trata do trabalho de um pequeno produtor artesanal, e sim de uma grande empresa que abusa na margem de lucro (tô rebelde).
=)



Arrumei uma garrafa grande de azeite, limpei bem e deixei secar.
Então, marquei e comecei a fazer o furo do mesmo jeito que fiz com o bulinho. A única diferença é que usei a furadeira e não a Dremel. Coloquei uma fita adesiva larga em torno da garrafa e usei a velocidade mais fraquinha da furadeira. Fui fazendo o furo de pouquinho, sem forçar para a garrafa não se quebrar.
O fio, que era branco, eu pintei com spray amarelo, tomando o cuidado de proteger os fios e as partes de tomada que não poderiam ser pintadas.
A montagem foi simples: passei o fio pelo furo, desencapei e encaixei nos contatos do soquete, que prendi na boca da garrafa com cola.
Daí, foi só colocar a cúpula e a lâmpada e... fez-se luz!


E a sala ganhou mais um cantinho iluminado, feito por mim por bem menos que os 300 reaus do abajur da loja e reutilizando muitas coisas que eu já tinha em casa
Para esclarecer, eu não sou contra a compra de coisas bacanas pelas quais a gente se apaixona. Mas sou contra o consumismo desenfreado e a favor do bom senso.
Acho que é justo pagar pelo trabalho de quem realmente produz, peça a peça, colocando carinho e empenho nos detalhes. Mas não acho correto pagar valores abusivos pela produção em série ding ling. Sei que, no nosso cotidiano, temos que abrir mão de muitas coisas em favor da praticidade. Porém, ser razoável nas nossas escolhas e achar um meio termo entre o que podemos comprar pronto e acabado, produzir ou encomendar de quem faz  é sempre uma boa opção. Pra casa, pro bolso e pro planeta.
E vocês? O que acham dessas escolhas?

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Novidadezinha e um convite


Gatunos, as novas almofadas gatinho aqui do ateliê!
São gatinhos pretinhos, para apertar, abraçar e se aconchegar, porque são fofinhos e macios.
Quer vê-los e apertá-los de perto?
Vai lá no Bazar Ógente 8, que acontecerá no próximo sábado, 22/6.
=)
Depois do bazar, os gatinhos também estarão lá na loja virtual.

Bazar Ógente 8
Templo Zen Budista Busshinji
Rua São Joaquim, 285 - Liberdade
22 de junho, das 11 às 18h.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Modo de fazer: almofadas com amor!

O  dia dos namorados está quase no finalzinho, mas ainda dá tempo de mostrar as almofadas exclusivas e cheias de amor, corações e casaizinhos apaixonados que eu fiz pra Coats Crafts:

E para quem quiser encher o quarto ou sofá de romantismo, é só seguir o gráfico e a receita lá no site da coats.
Muito amor pra vocês!

terça-feira, 11 de junho de 2013

Antes & Depois: armarinho Amélie

Eu avistei o armarinho fofo de longe, no ano passado. E comprei com a intenção de usar em outra situação mas, com os vaivéns da vida, ele veio parar na sala da minha casa.


















 De cara, dei aquela arrumadinha básica, colando papel de parede com fita dupla face. Mas o jeitinho não durou muito e os cantinhos começaram a descolar e o armarinho fofo ficou com aquela cara de desleixo.
Resolvi aproveitar o esmalte sintético cinza, fosco. Passei duas camadas, deixei secando por  dois dias e, depois de bem sequinho, colei o adesivo da Amélie com o anãozinho, que ficou perfeito já que o armarinho agora guarda nossos filmes e cds.


 No tampo, coloquei um pedaço de toalha de renda de plástico. Achei que o preto destacaria bem no fundo cinza mas, como só achei as toalhas em cores claras, pintei com spray fosco preto (cortei a toalha um pouquinho menor do que o tamanho do tampo, coloquei dentro de uma caixa de papelão e cobri com duas camadas).
 Por cima, coloquei vidro com espessura de 4mm, que mandei cortar numa vidraçaria, tomando o cuidado de pedir que as beiradas fossem lapidadas, pra evitar acidentes.
E ficou fofo assim, lá no canto da sala!
Engraçado como as coisas mudam na vida da gente. E, quando a mudança te pega de surpresa, o negócio é correr atrás do prejuízo e ser feliz com o que se pode considerar como saldo positivo. Depois de um tempo, as mudanças se mostram boas, saudáveis.
E nada mais bacana do que criar, mudar e renovar a casa da gente.
=)

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Modo de fazer: tapete redondo

Crochê é meio terapêutico pra mim. É daquelas atividades que faço um pouquinho todo dia de noite, pra manter as mãozinhas nervosas ocupadas. Ou, como diria o meu avô, é uma atividade do tipo: "enquanto descansa, carrega pedra".
E o crochê redondo é o meu preferido, porque é meio que infalível: sempre dá certo, sempre fica bonito. 
Demorei um tempão para terminar esse tapete, que ficou bem grande e pesado:

Escolhi cinza claro, cinza chumbo, amarelo e marinho, mas priorizei o cinza claro e usei barbante de algodão 8 fios.
A receita é simples e serve para qualquer tamanho de tapete:
1a. carreira: 5 correntinhas, fechadas em círculo;
2a. carreira: faça 2 correntinhas para subir, 9 pontos altos e feche;
3a. carreira: faça 2 correntinhas para subir e, no mesmo ponto 1 ponto alto (ficam 2 pontos altos junto); 1 ponto alto, 2 pontos altos; 1 ponto alto, 2 pontos altos sucessivamente até fechar a carreira;
4a. carreira: faça 2 correntinhas para subir e, no mesmo ponto 1 ponto alto (ficam 2 pontos altos juntos), depois 1 ponto, 1 ponto alto, 2 pontos altos juntos; repete 1 ponto, 1 ponto alto, 2 pontos altos juntos; e repete a sequência até fechar;
5a. carreira em diante: siga fazendo os aumentos segundo a repetição das carreiras anteriores.
Eu optei por fazer as carreiras em cinza claro todas em ponto alto e, nas outras cores, alternei ponto baixo e ponto alto, sem ter uma regra. O legal é colocar no chão e ver como está ficando. Se você achar que está ficando "embabadado", é bom pular alguns aumentos e fazer algumas carreiras seguindo somente o número de pontos da carreira anterior. De novo, é bom colocar no chão e ver como está ficando.
Segui até ter o tamanho que eu queria (o tapete ficou com 1,25m de diâmetro), para colocar na frente das cadeiras de cinema que agora estão na minha sala:

E gostei bastante do resultado!



Não vou fingir que sou a melhor crocheteira do mundo, nem tenho a intenção de ensinar o be-a-bá, até porque tem tutoriais melhores interweb afora.
Tenho o ponto super frouxo mas, como em qualquer atividade que a gente faz porque realmente gosta, acho que fica bonito do meu jeito. E o bacana é arrumar a casa e fazer as coisas nas medidas das nossas possibilidades, né?
E vocês? curtem crochê? tricô? contaí!
Bom final de semana!

terça-feira, 4 de junho de 2013

Na casa da cliente: Maya e Ananda

A Nanda, além de cliente antiga, é uma artista que eu admiro: dá vontade de casar de novo só pra ter noivinhos de topo de bolo pintados por ela!
Na verdade, pra matar a vontade tenho um quadrinho fofo e um colar idem, que eu adoro. E foi uma delícia atender ao pedido da Nanda para o quarto das filhotas Maya e Ananda. Fiz as bandeirolas, bonecas e raposinhas, que enfeitam as camas pink mais lindas que já vi:

E, se como a Nanda, você tem pequenos em casa e quer deixar os cantinhos deles mais coloridos, tem raposinhas, bonecas e outros mimos lá na minha loja:
Ou, se você precisa de outros itens de enxoval para a chegada do seu bebê, me manda um e-mail: ana@anasinhana.com
=)