Páginas

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Modo de fazer: estrela simples

Há um tempinho atrás, recebi uma caixa de retalhos lindos da Coats, que mereciam uma criação bacana. Foi um trabalhão deixar cada pedacinho de molho, secar e passar (etapa bem necessária antes da costura).
Como os pedaços eram pequenos, decidi fazer um patchwork especial, de estrela. Para cada bloco, cortei 08 pedaços de 10cm do tecido claro; 01 pedaço de 10cm do tecido mais escuro e 08 pedaços do tecido mais escuro:
Fiz assim:
1. tracei uma linha transversal e posicionei um quadrado de 8cm sobre o canto de um outro de 10cm. Costurei em cima da linha;
2. cortei o canto, deixando um espaço depois da costura;
3. abri as costuras e passei, deixando bem marcadinho;
4. repeti o processo no outro canto.
São quatro pontas, então esse processo deve ser repetido mais três vezes. Depois, posicionei assim:
E uni tudo, formando um bloco de 27cm:
O processo todo é tão gostoso, que fui fazendo os blocos até não ter mais quantidade suficiente do tecido mais claro. E obtive sete blocos.
Usei cinco blocos para fazer uma toalha, junto com outros quatro quadrados inteiros. A foto foi feita tarde da noite, mas olha lá o patchwork, ainda sem forro, penduradinho na parede branca pra ser olhado de longe!

E, hoje cedo, costurei o forro da toalha, fazendo o quilt:
Lindona, né?
Apesar de ter ficado bem linda em cima da minha mesa com a plantinha na xícara, foi só pose pra foto, pois pretendo dar de presente pra uma pessoa amada que faz aniversário logo mais. Também pretendo inventar alguma outra coisa com os dois outros blocos, que também vão virar presente!
=)
 E vocês? Alguma ideia linda para aproveitar pequenos retalhos?

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O 1° Antes & Depois de 2014: parede

Janeiro é mês de arrumar a casinha, começar dieta, voltar pra academia...a lista é grande, então,  muita calma nessa hora.
Pra começar, já arrumamos um tanto de coisas urgentes por aqui, como os rodapés da sala, a estante do ateliê. Uma outra coisa que estava bem feia e me incomodando era a parede do meu quarto, que começou a descascar quanto eu bati uns pregos errados (e levei a maior bronca!).
Comecei lixando e passando massa pra cobrir os rombos dos pregos. Continuou feio assim:


Depois, veio a pintura. Aproveitei dois fundinhos de latas de tinta que sobraram da parede da sala e do ateliê: cinza meio azulado e um pouco de branco.  Só a pintura já deu uma bela melhorada, mas faltava um toque de cor, de belezinha. Então, resolvi aplicar adesivo em padrão, como se fosse um papel de parede. Deu um certo trampo, pra calcular as distâncias, recortar e prender antes de aplicar:

Depois de prontinho,  ficou assim:

Bem melhor, né?
Melhor ainda é começar o ano aproveitando o tempo extra entre as encomendas pra ajeitar a casinha. O único problema é que fiquei com aquela coceira de refazer um monte de outras coisas: criado mudo, colcha, fronhas e almofadas, quadrinhos... então, aguardem!
=)
p.s.: os adesivos são do Meu Adorável Iglu.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Amarelo e cinza, pra começar!


O ano começou assim, numa mistura linda de amarelo e cinza, para uma pequena bebê carioca que está para chegar!
Achei muito auspicioso que todas as primeiras encomendas desse comecinho de 2014 sejam para bebezinhos, vidinhas que começam cercadas de amor e carinho. Tomara que seja assim pelo resto do ano também!


E se o seu bebê também está para chegar e vc quer um orçamento, me escreve: ana@anasinhana.com
<3 nbsp="" p="">

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

2014, mais do mesmo!


Vieram os fogos, a contagem regressiva, o estouro da champagne (do vizinho, porque cometemos a gafe de esquecer de comprar uma garrafa!)... e lá se foi 2013. Mas, no fundo do meu coração, entre os abraços da família e dos amigos mais queridos de sempre, dei adeus ao ano velho e recebi o ano novo sem aquela euforia de achar que que tudo tem que ser diferente, com o tradicional "que tudo se realize, no ano que vai nascer" (embora, o dinheiro no bolso e a saúde pra dar e vender sejam sempre desejáveis).
Provavelmente, é culpa da idade. A gente vai envelhecendo e se dando conta de que a vida é boa, mesmo com um ou outro percalço pelo caminho. Sei que é papo de velho, mas tendo saúde, família unida no amor, trabalho e contas pagas, tá tudo certo.  É  um alívio enorme terminar um ano sem achar que o novo tem que vir cheio de coisas esplendorosas, novidades maravilhosas e riqueza. Simplesmente, porque a riqueza está em agradecer o que a gente tem, as conquistas e, porque não, as dificuldades também.
Deve ser o lado budista dos meus antepassados tentando falar dentro de mim mas, na virada anterior, depois de algumas as pedradas que a vida me deu, reduzi muito as expectativas em relação a muitas coisas e catei as pedras, cataloguei e aprendi com elas. Falando assim, parece que foi fácil - e nunca é, mas, no balanço geral,  2013 foi um ano bom, de muito trabalho, de colocar a casa (quase) em ordem e de aprender a lidar com as coisas como elas são, sem querer projetar sonhos malucos pro futuro, nem querer mudar o passado.
Deixei muita coisa pra trás, aprendi a ver que alguns padrões de comportamento precisavam ser abandonados com urgência e, principalmente, deixei de me magoar com os padrões alheios. Porque, sejamos honestos, a gente sempre espera muito, seja do outro, do mundo, da sorte. Daí, pra cair do cavalo é um pulinho. Melhor mesmo é tomar essas rédeas e fazer o máximo para ter um passeio tranquilo, cuidando do que a gente consegue e não esperando só pelas flores pelo caminho (especialmente, aquelas que não nos demos ao trabalho de semear). E, claro, agradecer por cada passo.
Enfim, tudo isso pra dizer que espero que 2014 venha lindo e limpinho, para que possamos preenchê-lo da melhor forma possível, com a alegria de saber que a vida é coisa bem boa. E, se eu posso ter um modesto desejo de ano novo, que venha um pouco mais do mesmo: amor, saúde e trabalho, pequenas coisas cotidianas que fazem toda diferença na hora de agradecer e virar a página.
Feliz 2014!