Páginas

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Pão sem culpa

Nesse carnaval, toda a minha folia foi em casa. Lá pela terça à tarde, percebi que cheguei em casa na sexta anterior à noite e não saí mais. Não posso dizer que foi um carnaval produtivo, mas fiz cozinhei e descansei bastante.
Uma das coisas que eu queria e consegui era fazer um pãozinho diferente, com a preciosa farinha de grão-de-bico que eu e meu marido conseguimos produzir, depois de uma trabalheira danada.
Tudo isso, porque tenho feito o esforço de reduzir a quantidade de glúten na minha cozinha, apesar de ninguém em casa ser celíaco. 

O fato é que, há um tempo atrás, consultei uma nutricionista que me perguntou qual era o meu maior fator de indisposição e, de pronto, respondi que era enxaqueca, uma companheira maligna que tenho desde a infância. Naquela época, ela me disse que populações de origem oriental toleram menos o glúten e que eu deveria testar e fazer um esforço em comer menos farinha de trigo e mais arroz pois, talvez, a raiz da minha enxaqueca estivesse aí.
Achei que fazia todo o sentido, mas não consegui levar o esforço adiante, pois não havia muitas alternativas no mercado para a farinha de trigo naquele momento (e, tudo que eu encontrava custava algo como os olhos da cara).
Agora, uns poucos anos depois, comecei a ver surgir farinhas diferentes nas prateleiras e um mundo de receitas sem glúten. E resolvi recuperar a ideia de comer menos glúten.
Ainda não tentei (e não sei se pretendo) retirar totalmente as opções com farinha de trigo da minha vida, mas reduzi muito e senti uma grande diferença: três meses seguidos sem a companhia da maligna enxaqueca! Uhu!
Minha maior fonte de receitas tem sido o instagram, e foi no perfil @viversemtrigo que encontrei a receita da Bisnaguinha. Não segui a risca; usei a minha farinha de grão de bico e não a farinha de grão de bico com favas que a receita sugere (até pesquisei, mas achei um tanto quanto salgada pro meu bolso).


O resultado foi um pãozinho um pouco mais massudo do que os pães caseiros que a gente costuma fazer, mas muito perfumado e gostoso!


Mistura de farinhas:

300 g de farinha de arroz
300 g de polvilho doce
200 g de farinha de grão-de-bico com fava (pode substituir por farinha de amaranto ou feijão branco. eu usei a farinha de grão de bico caseira*) 

 200 g de fécula de batata ou amido de milho

1 col chá de CMC - espessante
1 col Chá de Goma Xantana - espessante natural
(tanto o CMC quanto a goma são encontrados em lojas de produtos naturais ou de artigos para festa)

Essa mistura de farinhas rende 1kg e eu usei 3 xícaras para fazer o pãozinho.

Bisnaguinha


1 ovo inteiro e 1 clara

3 col sopa de óleo

1 col chá de vinagre de maçã

1 xíc de água morna

1 col sobremesa de fermento biológico seco

1 col chá de açúcar

3 1/2 xíc da mistura de farinhas (usei 3 xícaras)

1 col chá de sal


Pré-fermentação: dissolva o fermento seco e o açúcar na água morna, deixe descansar de 5 a 10 

minutos até formar uma espuma. Reserve.

Na batedeira, bata os ovos e o óleo. Adicione o vinagre, em seguida toda a água da fermentação e os ingredientes secos. Bata bem até obter uma massa lisa, homogênea e levemente grudenta. Unte as mãos com água ou óleo e modele a massa em assadeiras para cupcakes ou assadeira de bolo inglês untada com óleo.
Forno preaquecido a 180 graus.

Assar por 30 minutos.


Senti que, embora seja trabalhoso, é perfeitamente possível tornar o pãozinho francês, aquele que eu amo e que achei que nunca viveria sem, um exceção ao invés de regra do dia-a-dia. Hoje, há muitos substitutos tão saudáveis quanto gostosos para se experimentar e tem sido bem legal procurar alternativas diferentes.

*Farinha de grão de bico caseira:

Deixamos um pacote de grão de bico seco de molho em água por uma noite. Na manhã seguinte, escorremos e deixamos secando no sol, numa assadeira grande. Como ainda estava úmido, colocamos um tempinho no forno baixo, tomando o cuidado de olhar sempre para não queimar, e depois deixamos secando por mais um dia inteiro.
Depois de bem seco, meu marido bateu aos poucos no multiprocessador e peneirou.
Já fizemos um tipo de omelete com pimenta síria e outros temperos e ainda quero tentar fazer falafel, aquele bolinho árabe delicioso!  

4 comentários:

Mari Mari disse...

Se resolve a enxaqueca, o esforco vale a pena, porque ninguem merece enxaqueca, ne?

# ESPAÇO LADY ELAINE # disse...

Olá..abençoada...

Deu água na boca...
visita beija-flor..
bom inicio de semana
vou tentar fazer...

Abraços.

Águida disse...

Que pão mais apetitoso. Hoje cairia muito bem aqui em Curitiba. Esta um friozinho...Fazia tempo que não passava por aqui e eis que me deparo com tanta coisa linda e deliciosa!! Ainda não estou tão evoluída para eliminar o glúten da minha vida, então, vou me deliciar com o Lemon Curd, tô até com água na boca só de escrever. Obrigada por compartilhar esta receita. Beijo grande

Águida

selma caetano disse...

Que bacana seu blog..a minha amiga acima..me falou..já gostei.. Como tbm sofro com essa enxaqueca... E já a três semana que tirei o glúten... Não tenho nem lembrança dela..essa receita de bisnaginha me deixou curiosa..imagino que deve ficar muito boa.um abraço.