Páginas

segunda-feira, 21 de julho de 2014

...

 De vez em quando, a gente precisa sair da zona de conforto para chegar nos lugares mais legais. No meu caso, isso incluiu passeio de lanche, que é das coisas que eu mais temo nessa vida (com direito a muito bullying por parte dos meus amados familiares) e escalada nas dunas no sol a pino.
Mas, assim como na vida, acredito que uma esforçadinha a mais sempre compensa.
Parar e contemplar a vista, descansar, tomar banho de mar... se fosse sempre assim, né?
Enfim, logo eu volto, com a bateria recarregada.
Até já!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

As coisas legais que chegam sem avisar...

Andei repensando muita coisa ultimamente... sucesso, perdas e ganhos nas andanças da vida voltaram a martelar na cabeça. No meio desse rolo todo, percebi que nunca me aquieto e penso de fato; sou mais do tipo que nunca para, mesmo depois daqueles tombos que a gente leva de vez em quando. Sou mais do levantar, sacudir a poeira e seguir a vida.
Mas, no meio do caminho, sem que eu estivesse procurando, apareceu uma proposta que tirou o meu sossego. E passei a me perguntar se era hora, de novo, de dar uma chance e procurar outros rumos. Pela primeira vez, não consegui achar uma resposta imediata e até protelei a decisão por uns dias. O engraçado foi quando perguntei pro marido, meu melhor conselheiro, e obtive uma não-resposta: "você já sabe o que vai fazer, porque tá me perguntando?"
Sim, no fundo, lá no fundo, eu já sabia que teria que tentar de novo um dia. De outro jeito, usando os erros como aprendizado, com novas escolhas e parcerias.
Acho que a gente recebe as coisas na hora certa. Nunca no meio do atropelo e da afobação, mas no momento em que as coisas realmente tem que acontecer. Eu acredito nisso e acredito também no trabalho e nos frutos que brotam a partir do esforço, sem plantar ervas daninhas no quintal alheio, nem desejar nada a mais, nada  menos do que merecemos.
E foi assim, sem que eu estivesse procurando, que nasceu a Bendita Loja, uma parceria com a Vivian Higa, da Vivian.k Joias!
O espaço é pequenininho e abrimos faz poucos dias, mas já estamos nos sentindo em casa, no meio de uma vizinhança bacana, com direito a fonte e banquinho de praça.
Ainda estamos decorando, ajeitando nosso espacinho e chamando parceiros, mas já temos recebido várias visitas bem especiais. Aos poucos, vou contando e mostrando os detalhes que a gente tem amado tanto fazer! Aguardem!

O ateliê de casa continua funcionando e fazendo parte da minha rotina de trabalho, assim como os bazares e o Bendito Coletivo. A loja funciona de segunda a sexta, das 10 às 17h, mas sempre é legal dar uma ligadinha pra marcar hora (assim, a gente passa o cafezinho  e deixa um bolinho pronto pra esperar as visitas!). Em agosto, teremos oficinas nos finais de semana, mas avisarei com antecedência.

Bendita Loja
Rua Cel. Silva Teles, 132 - loja 4 (galeria da Escola Interclass)
Cambuí
Campinas/SP
tel: (19) 989307506

Espero vocês pra compartilhar com a gente essa novidade gostosa!

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Um vidro e uma rosa.

Eu tenho sentido muita falta da minha casa. Não mudei, nem viajei mas tenho corrido tanto que as coisinhas, aquelas que gosto tanto de fazer, tem ficado pra depois.
Mas vem novidade legal por aí! Logo, logo, eu conto.
Numa das idas pra bazares em SP, parei pra comprar suco e bentô (pra quem não tem olho puxado, bentô é um tipo de PF, uma marmitinha bem simples que vende nos mercadinhos japoneses). E, mesmo não curtindo suco pronto, acabei comprando um de framboesa só por conta da embalagem, que era linda (quem nunca?)
Guardei o vidro vazio e trouxe pra casa. E num mini momento de ócio, procurei uns potinhos de tintas vitral velhos, de algum aniversário das crianças, torcendo pra que a tinta não estivesse dura.
Como o vidro tinha relevo, pintei com a tinta vitral vermelha e verde (eu não tinha verde mas, recordando a aulinha de artes da quarta série, azul+amarelo=verde!). 


A rosa eu roubei do meu próprio canteiro. E o vidro fofo ficou assim:


Coisinha besta, só pra lembrar o prazer que eu sinto em fazer agradinhos pra minha casa.
Em tempo, considero o blog um pouquinho da minha casa também e sei que estou em falta. Mas, de novo, o motivo é justo e é bem legal! Muito trabalho agora e algumas novidades a seguir!

p.s.: pra quem perguntou sobre os tutoriais das almofadas da revista Minha Casa, tem link no site. Clica aqui.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Eu e as almofadas na Minha Casa!

Quando a Isis, da revista Minha Casa, me pediu para fazer uma matéria sobre almofadas, eu dei pulinhos de alegria. Não só porque é muito, mas muito legal mesmo ver seu trabalho numa revista bacana, mas além disso, é muito legal fazer o que se gosta e ver seu trabalho reconhecido. 

Foram vários dias pensando em conjunto, discutindo técnicas possíveis, comprando material e criando. E, depois, uma tarde inteira pra fotografar tudinho aqui em casa (olha a namoradeira amarela estrelando com as almofadas!).


São seis técnicas diferentes, porém todas bem simples, que provam que dá pra ter a casa bonita, arrumada, com seu jeitinho e sem gastar um riacho de dinheiro. Bem do jeito que eu gosto e acredito!


Então, vai lá na banca, compra a Minha Casa e confere. Hehehe!
Obrigada, Isis, Thais e Kit! Muito legal ter trabalhado com vocês!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Bendito Arraiá: o bazar junino do Bendito Coletivo!

Junho é o meu mês favorito: friozinho, festas juninas, temporada de aniversários aqui em casa... tudo que eu mais gosto, cercada de quem eu mais amo!
E esse junho será ainda mais especial, pois estamos organizando um bazar junino do nosso Bendito Coletivo aqui em Campinas, na Casa de Fazer, uma antiga casa de fazenda em Sousas que foi toda reformada e repensada para acolher eventos.


Além dos expositores bacanas e das comidinhas típicas, teremos uma rodada de oficinas criativas e o apoio da patrocinadora Coats Corrente. Olha só se não dá vontade de passar o dia inteiro craftando:

A Ana Mitie, da Ana Craftbox, faz coisas incríveis em crochê, além de ser um amorzinho de pessoa. E a oficina dela será para iniciantes (quem sabe depois ela volta e ensina pontos mega blaster complicados?), que farão um móbile de passarinho com lãs coloridas da Coats Corrente. A oficina será de manhã.

Simultaneamente, teremos a oficina de encadernação artesanal da queridona Mari Salles, da Mari Salles Patchwork, que vai ensinar os segredinhos pra fazer aquele caderninho fofo! Também com tecidos patrocinados pela Coats Corrente.


E, à tarde, as meninas do Superziper farão duas oficinas super bacanas!

Nem preciso falar nada da Andrea e da Claudia, né? Acho que todo mundo que curte crafts conhece a criatividade e o empenho das duas em divulgar a importância do trabalho manual mundo afora. Serão duas oficinas: furoshiki e maxi cachecol sem agulhas. Sim! SEM AGULHAS, feito no braço (olhem na foto, pra conferir que bacaneza). Ambas as oficinas também terão material patrocinado pela Coats Corrente.
Se você ficou com vontade de participar, corre pra se inscrever! O e-mail é contato@benditocoletivo.com.br e as vagas são limitadas.
Se você ficou com vontade de conhecer os expositores e seus trabalhos, venha nos visitar no sábado, das 10 às 18h, na Avenida Dona Maria Franco Salgado, 674 - Sousas - Campinas/SP. Entrada franca; aceitaremos cartão de crédito; estacionamento no local.
Para saber mais sobre os expositores, acesse nossa página no Facebook.
Nos vemos no sábado!




quinta-feira, 22 de maio de 2014

Pão de mandioca e os amigos de sempre

Domingo passado, foi dia de festival da mandioca aqui no quintal. Não riam, nem pensem bobeira!
Quem tem amigos festeiros como a gente, sempre inventa um motivo pra se reunir, cozinhar, beber e papear. Engraçado isso, de sempre ter que ter um motivo... no caso dos meus amigos, a gente inventa e reinventa os motivos, que vão desde conquistas importantes ou aniversários, até a safra boa de mandioca da horta do trabalho das meninas.
Acho que, na verdade, isso é ser amigo: buscar motivos, mesmo que pequenos. Eu não vou dizer que fui a pessoa mais popular da escola e que tenho milhões de amigos (facebook não conta), até porque a vida se encarrega da seleção natural e muitos vão embora, seja porque se mudam, seja porque pisam na bola.
E, claro, a gente pisa na bola também (ninguém tem atestado de santo), também se muda e nem sempre tem vontade de deixar o endereço. Coisas da vida.
Voltando à mandioca, meus amigos tem outra característica que nos aproxima: o exagero e o medo de passar fome! hahaha
E, no domingo, me vi com vários pacotes de mandioca pré-cozida congelada e mais de um quilo de mandioca cozida, bem molinha, que sobrou do escondidinho. Como eu não gosto de desperdício, achei que daria um pão lindo e fui pra cozinha, lá pelas 21h, pra fazer um pão. Maluquice minha, porque estava frio e a massa não dava sinais de crescimento. Fui dormir e coloquei o despertador pra 00h30; levantei cambaleando, fui ver e nada. Achei que tinha gorado e fui dormir porque tinha um compromisso super cedo na segunda. Mas, quando levantei, a massa estava super crescida e linda e me rendeu 4 pães enormes!
Não tenho uma receita muito certinha, porque fiz tudo de cabeça. A única coisa que sei com certeza é de que usei 1,1kg de mandioca cozida, bem desmanchada e amassada. Bati 2 ovos caipiras, juntei com 1/2 xícara (chá, 240ml) de manteiga sem sal derretida; 1 colher (sopa) de sal; 3/4 xícara (chá, 240ml) de açúcar. Misturei com a massa de mandioca e fui juntando farinha de trigo aos poucos, junto com 2 colheres (chá) de fermento biológico seco (aquele para pão). Não sei quanto usei de farinha, mas a massa deve ficar um pouco grudenta, não muito lisa (à medida em que  junta farinha, você vai sovando a massa na mesa enfarinhada e soltando com a ajuda de uma espátula). Depois, coloquei numa tigela alta e deixei crescer, o que levou umas 8h.
Modelei os pães sem muita farinha (gruda um pouquinho), passei gema de ovo misturada com café pronto, mas sem açúcar pra ficar com uma cor bonita e levei pra assar por cerca de 40 minutos.
E garanti pão pra semana toda!

Não sei qual será o motivo da próxima reunião (safra de pinhão tá aí, como lembrou alguém no dia da mandioca!). Só sei que os meus amigos de verdade, que posso contar nos dedos das mãos, são ainda mais legais que pão fresquinho feito em casa. Muito amor, mesmo.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Brotinhos...

O meu amor pelas plantinhas cresce e se multiplica e os amigos ainda me dão mudinhas em vasinhos fofos, plantadas por eles mesmos!
Acho que acontece a mesma coisa com a vida. A gente colhe as coisas que planta ainda que, nem sempre, as mudas e sementes sejam fortes. Mas é preciso ser persistente, ter fé, acreditar em cada brotinho, que deve ser regado e alimentado. E as ervas daninhas, se não der pra eliminar, a gente aprende a conviver com elas, sem deixar que tomem conta do nosso jardim.
Bom final de semana!