Páginas

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

A bola, o esmalte e o zumbi!


Passei parte do final de semana na capital (tão caipira falar assim, né?), numa mistura de trabalho e prazer. Obrigações cumpridas, fomos (eu e essa minha amiguinha aqui) encontrar tuiteiros queridos. Como é de praxe, ficou só a mulherada, com as honrosas exceções do sempre galante e pontual Renato, que estava lá para tomar café com a gente, mas não aguentou o excesso de hormônio feminino à mesa e foi embora cedo. E do gigante gentil faso, que encontramos no final da tarde e que nos proporcionou muitas risadas.
Lá pelas tantas, comentei que o marido, naquela hora, deveria estar pulando feito doido em outra cidade na estréia do time dele no campeonato paulista. E, claro, eu e as meninas começamos o mimimi feminino, já que escapa ao nosso entendimento o por quê de tanta euforia futebolística. A antenadíssima, moderna e querida Danny, que é uma pessoa muito poderada, me perguntou se tinha alguma coisa, alguma pequena diversão que eu adorasse muito (fora ficar com filhos, marido, trabalho, etc). Quase soltei fumacinha pela tampa do cérebro de tanto pensar. E não consegui achar nada comparável ao amor pelo futebol no meu singelo universo feminino.

Aqui, abro um parentesis pra contar que a Danny ama... ZUMBIS! Sim, aquelas criaturas que retornaram do mundo dos mortos, para arrancar cabeças ou partes mais carnudas de nós, pobres mortais. Aliás, ela, o faso e mais uma galera curtem o assunto, que é tema de tese e tudo (Danny, esqueci o nome do seu amigo sociólogo que estuda o tema, depois conta de novo?).
Enfim, quando você acha que já viu de tudo nessa vida, sempre aparece alguém com manias ainda mais inusitadas. Fecha parentesis.

Mas enquanto eu queimava a mufa de tanto pensar, olhei para as minhas mãos apoiadas no copão de café do Starbucks e, como não poderia deixar de ser, me ative às minhas unhas amarelas. Não, gente, não estou sofrendo falta de nenhuma vitamina, nem tenho hepatite. Era esmalte mesmo. Na minha adoração por cores, me rendi na última semana ao amarelo.
E, apesar desse momento de pouca discrição na cor das unhas, não é esse o ponto que quero ressaltar. O fato é que marido implica toda vez que resolvo fazer as unhas. Implica, tira sarro e acha o dinheiro mais mal gasto do planeta. E sempre diz que eu teimo em fazer as unhas nos momentos menos convenientes. Ele se refere a dias de festa mas, olha que injustiça!
Qualquer ser do sexo feminino há de concordar que o momento imediatamente anterior à festa é "a" hora de ir na manicure, pois toda a louça, nessa altura, estará lavada e a moçoila não correrá o risco de estragar o esmalte. Lógica (feminina), né?
Mas o moço não entende. A falta de concordância sobre o tema é tanta que, lá na praia, estávamos os dois dentro de um mercadinho, eu na fila dos frios, ele colocando cerveja no carrinho (típico!). E eis que vejo uma moça, logo à frente, com as unhas verdinhas muito bem feitas. E toda a vez que eu ensaiava de perguntar o nome do esmalte (adoro nome de esmalte!), marido aparecia. E, claro, eu ficava quieta, temendo retaliações na forma de risadas escandalosas. E saí de lá sem engatar o assunto com a colega e sem saber o nome da cor.
Em outra situação, sozinha ou acompanhada de uma amiga, eu não teria a menor dúvida em abordar delicadamente a desconhecida da fila.
Eu simplesmente adoro esmaltes e amo ganhar de presente das amigas viajantes. Acho que cor de esmalte entre as mulheres é tal como futebol entre os homens: um assunto universal, nivelador, que agrega desconhecidos e os torna melhores amigos de infância instantaneamente.
Mas, pensando bem, perderia totalmente a graça ter um marido que fosse comigo à manicure (afinal, alguém tem que acender o forno de pizza a churrasqueira ou o fogão à lenha, gelar as bebidas, montar a mesa e o guarda sol pesados. Ou seja, serviço de macho, que estraga as unhas).
Também devo ser honesta numa coisa: sou uma moça à moda antigo e prefiro ser casada com um homem rústico, do tipo que coça as costas na parede de chapisco, ama futebol e cerveja (juro que não sou casada com o Homer Simpson). E que não sabe de cores de esmalte, nem leva jeito pra pintar as minhas unhas, mas é bom de cozinha e de outras coisas que não vou contar, pois não sou mulher de levar bolo em festa. Esse bolo é só meu. E eu amo.

12 comentários:

Fala Mãe! disse...

Ana querida! Acho que não tem coisa melhor que uma unha bem feita com cor bonita. Sinto um prazer inexplicável nos raros momentos que me dou esse luxo, mesmo sabendo que vou entrenhá-las no cocô pra limpar os meninos rs. Me marido também não entende e não entende porque eu faço luzes também rs. Mas como vc também prefiro assim, marido metrosexual mais vaidoso do que eu não dá rs...beijos e curte aí seu hobby de esmaltes que é uma delícia
Cynthia

Higa disse...

Eu ia comentar que tinha reparado nas suas unhas amarelas, mas aí lembrei que só reparei quando vocês estavam discutindo exatamente sobre as unhas, quando a Paula chegou...
E realmente, é importante que tenham essas coisas meio que universais, que ajudam as pessoas a se integrarem.
Futebol, novela, maquiagem, esmaltes, My Little Pony, Naruto, Nintendo Wii... Faz bem pra vida social! Hahahah

suzanne disse...

é isso aí, marido competindo com nossas vaidades não dá...
ah... comprei outro dia um esmalte verdinho lindo... não sei se é esse que vc viu, mas o que tenho chama-se ARÁBICA, DA RISQUE...

bjs

Livia disse...

ótima idéia! quando é o próximo jogo insuportável do campeonato sei lá o quê que eu vou marcar manicure? estava faltando um tempinho mesmo....
beijos...

Céres disse...

e eu amo tuas crônicas (por que é o que teus posts são!). vou passar pra minha filha ler ... ela vai adorar. e qualquer dia vou mandar um esmalte aqui do sul, de algum freeshop, ;))

.faso disse...

Pequena Ana (agora agüenta a piada ! HA!),

Seu marido como o tio .faso aqui são OGROSSEXUAIS. Vi esse termo em algum jornal da hora do almoço. O ogrossexual é exatamente isso que você disse: somos roots, cortamos cutícula com alicate de unha (sim, me especializei nisso), tomamos banho apenas para preservação dos laços sociais e nossa maior vaidade é lavar o carro! XD

Assim como o mini Renato (outro baixinho da turma), fiquei reparando em suas unhas e achei muito legais! (adoro mulherada de unha pintada! X) )

O comentário da Dany me fez ver outras coisas que eu era fanático (além de zumbis). Uma delas é que eu tenho mania de "dessexualizar as coisas", como ao criar bonecos fofoletes a partir de bonecas infláveis, escravos sexuais e essas coisas (será eu tentando achar o lado jujubento de tudo?)

Bem, é por aí! Prazer em conhecer a senhora e suas mega unhas amarelantes!

Abraços,

tio .faso

c r i s disse...

Oi Ana, dava tudo prá ver suas unhas amarelas, estou numa fase vermelha, mas só na vontade pois ainda não consegui marcar a tal manicure (ainda não pintou nenhuma festinha...rsrsrsr).

Deviam inventar um esmalte que resistisse mais a detergente e água...rsrsrs...Bjo.

ana sinhana disse...

Cris, eu adoro vermelho e todas as suas possibilidades! Aliás, adoro cores. Pintei as unhas de azul outro dia. Só não curto renda, nem nenhum branquinho!
Não deu tempo de fotografar as unhas amarelas (a foto é antiga), mas uma hora dessas eu mostro!

Faso, ogrossexual é PERFEITO!
E tô contigo e não abro: ver o lado jujubento das coisas é o que há de melhor!

Céres, seus comentários elogiosos me deixam mimada!

Livia, tem jogo quase todos os dias! Vai lá e marca manicure, menina!

Suzanne, vou procurar pelo Arábica! Valeu pela dica!

Renato, não dava pra não notar, né?
Mas um pouco de indiscrição não mata.
E adoro todos os assuntos universais que vc citou (até futebol, de vez em quando)!

Cynthia, nessa fase dos meninos, um cocozinho faz parte, né? Mas não é motivo de deixar de fazer as unhas de vez em quando!
Bjs

Lili disse...

OI Ana!
Sou nova por aqui, "seguidora fresca" :D
Adorei teu blog, vc faz coisas lindas e escreve melhor ainda. Colei! :)
Bjooooooooo! ;)

Danielle Schelb disse...

Eu aaaaamo esmaltes e quando quiser saber alguma cor é só me perguntar, tenho compulsão em comprá-los!
Amo esse bloguito.
Beijos lindona!

Margaret disse...

Que teu nome é famoso na rede é fato, pois volta e meia me deparo com ele.
Como sou meio rebelde, inconscientemente me recusava a vir curiar o motivo da fama (brincadeirinha...rs).
Mas sério, nunca tinha vindo no teu blog nem de curiosa (mas teu nome ja tinha visto em varios lugares).
Hoje a Aninha (da Casa que Minha Vó queria) me passou o link pra eu ver tua colcha, que ficou divina, e eu comecei a ler...a ler...a ler... e AMEI.
Parei aqui mas ja to seguindo pra nao perder mais nada.
Beijossss

Maria Laura Martins disse...

Oi, Ana... Tudo bom?
Li seu texto de Natal lá na Tanlup, achei o máximo, repassei pra todo mundo (santo exagero!).
Descobri seu site e tô aqui... navegando. Tô adorando seus textos, super bem escritos e bem divertidos.
TÔ add nos meus favoritos!